1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo e PT tentam reagir à pauta própria do Congresso

- Atualizado: 02 Março 2016 | 08h 00

Bancada do PT no Senado quer priorizar votação de propostas como imposto maior para os mais ricos

BRASÍLIA - O governo da presidente Dilma Rousseff e a bancada do PT no Congresso costuram uma forma de reagir à pauta independente de projetos econômicos que os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pretendem votar no primeiro semestre. Por ora, no entanto, a reação do Executivo e dos parlamentares petistas não é articulada, mas visa a impedir a imposição de uma pauta que os dois peemedebistas têm defendido à revelia da orientação do Palácio do Planalto.

A avaliação de aliados dos dois peemedebistas é que o governo, em meio à crise que pode levar ao afastamento da presidente e ao agravamento da recessão, não tem tido capital político – nem mesmo com o apoio do partido da presidente – para levar adiante uma agenda econômica que recupere a confiança dos investidores e restabeleça um ambiente de segurança jurídica para os negócios.

Renan e Cunha têm pauta econômica independente
Renan e Cunha têm pauta econômica independente
A agenda de Renan e Cunha, conforme mostrou o Estado nesta terça-feira, 1º, deverá conter propostas que contrariam as prioridades do governo ou do PT, como a concessão de independência ao Banco Central, a proibição de mudanças em contratos de concessão, a fixação de teto para o endividamento da União e as reformas tributária e previdenciária. Eles também querem uma pauta própria que privilegie Estados e municípios.

Na área econômica e no Planalto, a orientação é continuar a priorizar a aprovação neste primeiro semestre das propostas do ajuste fiscal, como a recriação da CPMF e a Desvinculação das Receitas da União (DRU), e ainda abrir caminho para tentar votar as futuras reformas fiscal e da Previdência.

Até o momento, porém, ainda não há uma articulação entre integrantes do governo para impedir o avanço das agendas de Renan e Cunha. “A estratégia é conversar”, resumiu uma fonte do Palácio do Planalto. No Ministério da Fazenda, o discurso é o mesmo. Mas há uma percepção também no governo de que a investida contra a agenda econômica é mais uma tentativa de isolar e desgastar a presidente num momento de desgaste político e embate com o PT.

O novo líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), admitiu que a pauta costurada por Renan Calheiros tem uma visão “mais liberal”. A bancada do PT, que Costa comandava até virar líder do governo, apresentou ontem ao presidente do Senado uma pauta de matérias para ser incluída na agenda “expressa” de votação.

A bancada listou como prioridades propostas que aumentam a cobrança de impostos dos mais ricos, como a tributação sobre lucros e dividendos e a instituição de um IPVA para transporte de luxo (lanchas, iates, etc). No encontro, Renan fez um aceno ao PT ao destacar que a pauta do partido será um “contraponto” ao que já foi apresentado. “É preciso que todos os blocos partidários sejam respeitados”, disse.

No caso do projeto de independência do Banco Central, o PT ainda não afinou o discurso. Humberto Costa afirmou que, mesmo com a mudança de Jucá – que incluiu a ideia do duplo mandato para o BC: controle da política monetária e garantia de empregos –, não acredita que a bancada apoiará a proposta. “Não acredito que, a princípio, isso mudaria a nossa opinião a favor da independência do BC, mas sem dúvida representaria um avanço importante”, disse.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX