Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Governo espera que privatização da Eletrobrás seja concluída até junho de 2018

Há, ainda, incertezas de como será definida a participação da União sobre o controle da empresa

Reuters

22 Agosto 2017 | 14h13

BRASÍLIA  - O processo de desestatização da Eletrobras, anunciado pelo governo federal, deverá estar concluído até o final do primeiro semestre do ano que vem, deixando a empresa mais competitiva para enfrentar "players" globais que estão ingressando no setor do Brasil, disse o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, nesta terça-feira.

A proposta de privatização, anunciada na véspera, será apresentada ao Programa de Parcerias de Investimentos na quarta-feira, um movimento que deve disparar estudos para o detalhamento dos caminhos a serem perseguidos no processo, acrescentou Coelho Filho, em entrevista a jornalistas.

As ações preferenciais disparavam mais de 20% na B3, enquanto as ordinárias estavam cerca de 40%, às 12:13, apesar de incertezas sobre como será o processo em que a União abrirá mão de seu controle.

A desestatização da elétrica poderia ser por venda de controle ou por emissão e diluição de ações, comentou o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, durante e coletiva de imprensa.

Governo está trabalhando no modelo de venda da Eletrobrás, diz Meirelles

Segundo Guardia, a modelagem relativa à desestatização "não pode" ser adiantada ainda, nem qual será a forma e nem a participação final da União.

LEIA MAIS. Reportagens sobre a privatização da Eletrobrás

De acordo com o secretário, a desestatização da Eletrobrás não configura receita primária para o governo, enquanto Coelho Filho ressaltou que o processo não é apenas por questões arrecadatórias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.