Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Governo está trabalhando no modelo de venda da Eletrobrás, diz Meirelles

Ministro também reforçou que leilão de usinas da Cemig 'está marcado'

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2017 | 11h31

BRASÍLIA – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o governo está trabalhando na modelagem do processo de privatização da Eletrobras e fazendo avaliação sobre valores. "Logo que tenhamos avaliações mais precisas faremos o anúncio completo", afirmou.

Meirelles comentou ainda que o leilão de usinas da Cemig, previsto para setembro, "está marcado". Ele afirmou que a empresa mineira está tentando levantar recursos no BNDES e em outros bancos para tentar manter as usinas que serão devolvidas à União.

"Vamos analisar a proposta da Cemig como a proposta de outras operadoras. Do nosso ponto de vista, o importante é que a proposta seja financeiramente viável e atenta aos interesses da União", informou o ministro.

Meirelles disse que a Cemig poderá participar do leilão como qualquer outra empresa. "Para a Cemig conseguir trazer uma proposta que possa justificar a não existência do leilão, ainda falta muito", acrescentou.

Votações. O ministro da Fazenda afirmou também que o governo ainda está negociando um acordo para o Refis. "Teremos novas conversas", afirmou. "Tudo está avançando e vamos procurar concluir o mais rápido possível. Estamos avançando na direção correta", acrescentou.

Meirelles disse que é preciso chegar a um ponto que permita que as empresas prejudicadas pela crise econômica possam retomar a regularidade fiscal e de crédito e que, também, assegure ao País arrecadação adequada e seja uma sinalização para o futuro. "O melhor negócio para a empresa é pagar os impostos em dia", avaliou.

Segundo o ministro, será feita uma revisão "profunda" dos vetos do presidente Michel Temer a pontos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, mas que os vetos são bem fundamentados e isso será apresentado em reunião com parlamentares da Comissão Mista de Orçamento (CMO), hoje, às 12 horas. "Temos que preservar os interesses do País", acrescentou.

Ele disse ainda que a proposta de reforma tributária do deputado Luiz Carlos Hauly (PMDB-PR) é "interessante e vai na direção correta", mas ressaltou que a discussão do tema ainda está em fase inicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.