Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Governo limita gastos de ministérios e vai rever desonerações de folha salarial

Economia & Negócios

Governo limita gastos de ministérios e vai rever desonerações de folha salarial

Gastos com investimentos, custeio e restos a pagar ficam limitados a R$ 75,1 bilhões até abril, uma queda de 21% em relação ao mesmo período do ano passado; Fazenda diz que medida sinaliza ‘o comprometimento de todo o governo com o ajuste fiscal’

0

João Villaverde, Irany Tereza e Adriana Fernandes ,
O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2015 | 18h21

Atualizado às 23h

BRASÍLIA  - O governo anunciou nesta quinta-feira um forte aperto nas despesas da máquina federal até o fim de abril. Por meio de decreto da presidente Dilma Rousseff, o governo limitou a R$ 75,1 bilhões os gastos com investimentos, restos a pagar, custeio e também com obras do PAC. Em igual período do ano passado, o governo previa gastar 21% mais, em termos nominais. 

Mais medidas fiscais estão em gestação no governo e podem ser anunciadas ainda nesta sexta-feira. A mais importante delas é a revisão da desoneração da folha de pagamentos, como já tinha informado o Estado em janeiro. Ao todo, 56 segmentos contam hoje com o benefício, criado pelo governo Dilma Rousseff em 2011. No ano passado, o governo abriu mão de R$ 21,5 bilhões em arrecadação, um salto de 75% em relação ao ano anterior. 

Sem Orçamento. Segundo especialistas em finanças públicas, o aperto nas contas anunciado ontem por meio de um decreto é prática comum enquanto o Congresso não aprova o Orçamento do ano. O relator do Orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), prometeu colocar o projeto de Orçamento de 2015 em votação na próxima semana. 

As despesas discricionárias, alvo das limitações anunciadas ontem, são aquelas em que há “margem de manobra” dos gestores públicos, como ministros, secretários e presidentes de autarquias. Diferentemente dos gastos obrigatórios, essas despesas podem ser reduzidas, elevadas ou até mesmo cortadas em sua totalidade. 

Esse limite de R$ 75,1 bilhões é inferior às necessidades de gastos do governo para o período, segundo uma fonte qualificada da equipe econômica, que caracterizou como “apertadíssimo” o novo limite. 

Corte. O decreto de programação financeira para o primeiro quadrimestre do ano sinaliza um corte de cerca de R$ 58 bilhões para todo o ano de 2015, de acordo com fontes do governo. Esse corte leva em consideração a proposta de investimentos, no valor de R$ 283 bilhões, que o governo enviou ao Congresso Nacional no Projeto de Lei Orçamentária (PLOA). Levando-se em consideração as emendas apresentadas pelos parlamentares, os investimentos somam R$ 291 bilhões. Nesse cenário, o decreto sinaliza um corte de R$ 66 bilhões. 

“Essa é uma medida importante para melhorar a transparência do governo e para dar previsibilidade sobre nossos pagamentos”, afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive. Diante da falta de dinheiro, o governo decidiu diminuir o limite de gastos de toda a máquina federal e “escalonar” pagamentos de despesas discricionárias. 

Em outras palavras: “Vamos pagar o passado? Sim. Mas vamos pensar muito bem sobre novas despesas, novos gastos”, disse. 

Limites. De acordo com o decreto, assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, as liberações de recursos do Tesouro para os órgãos federais terão como parâmetro não só os novos limites estabelecidos, mas, também, “as disponibilidades de recursos”. 

Com a queda na arrecadação, o governo tem enfrentado dificuldades até mesmo para pagar despesas obrigatórias. 

Em nota oficial, o Ministério da Fazenda afirmou que o decreto “sinaliza o efetivo comprometimento de todo o governo federal com a realização do ajuste fiscal necessário”.

(Colaboraram Renata Veríssimo, Carla Araújo e Francisco Carlos de Assis)

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.