1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo perde fonte de receita de R$ 3 bi

- Atualizado: 09 Março 2016 | 06h 24

MP 694, que elevava alíquota do IR sobre pagamento de juros sobre capital próprio, caducou por exceder prazo para ser votada no Senado

BRASÍLIA - Por falta de acordo com lideranças da oposição, o Senado desistiu ontem de votar a Medida Provisória 694/2015. Com isso, a MP perderá a validade hoje, e, segundo seu relator na comissão especial, senador Romero Jucá (PMDB-RR), levará a uma perda de arrecadação do governo federal para este ano de, pelo menos, R$ 3 bilhões.

A medida provisória, que faz parte do pacote de ajuste fiscal, trata da elevação da alíquota do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) incidente sobre o pagamento de juros sobre capital próprio (JSCP) pagos ou creditados aos sócios ou acionistas de empresa.

Senadores da base governista e de Estados beneficiados por incentivos previstos na MP cobraram em plenário a votação da proposta. Contudo, não houve acordo com a oposição para abrir uma exceção à regra criada pela Casa desde maio de 2013, segundo a qual não se pode votar medidas provisórias com menos de sete dias de ela chegar da Câmara. A MP chegou ao Senado na quinta-feira passada.

Na semana passada, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, já havia mostrado que o Planalto trabalhava com a possibilidade de a medida caducar.

No início dos debates, o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), defendeu que a presidente Dilma Rousseff editasse uma nova medida provisória com as mesmas matérias previstas na MP que caducaria. Ele citou o fato de que a MP não foi nem lida pelo plenário da Casa.

O líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), criticou Caiado, a quem chamou de o único líder da oposição que não concordava com o acordo. “Não me venha com esse discurso fácil.” Posteriormente, os presidentes do DEM e do PSDB, respectivamente, senadores José Agripino (RN) e Aécio Neves (MG), também fizeram coro à manifestação de Caiado.

Apelo. Romero Jucá tentou fazer um apelo pela importância da medida provisória. O relator disse que mesmo que uma nova MP seja editada, ela só terá efeitos a partir de 2017. “Nós melhoramos muito esse relatório, o relatório hoje é uma MP do bem. Dou o meu depoimento técnico, apelo pelo entendimento, mas não está na minha alçada a votação hoje.”

Diante do impasse, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), decidiu não ler a MP e fez uma crítica indireta à Câmara por não enviar com antecedência mínima de sete dias uma medida provisória para apreciação do Senado. Ele disse que a MP era meritória porque interessava à União, aos Estados, ao empresariado e a setores importantes da economia nacional. “Não dá para expor o Senado a esse constrangimento e o papel do presidente do Senado é exatamente defendê-lo nessas horas”, disse. Questionado se a oposição não deveria ser intransigente e ceder no acordo, ele contemporizou: “Não dá para observar caso a caso, é importante preservar a regra”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX