1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo pode flexibilizar regras para o pré-sal

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 17h 25

Presidente Dilma discutiu com entidade do setor a possibilidade de abertura da exploração do pré-sal para companhias estrangeiras

O governo está disposto a abrir o pré-sal para petroleiras estrangeiras, em casos em que reservas concedidas a essas empresas no pós-sal avançam para uma área mais profunda, processo conhecido tecnicamente como unitização. O sinal foi dado ao Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), que reúne grandes companhias multinacionais, em reunião com a presidente Dilma Rousseff, nesta segunda-feira, 25.

Por lei, apenas a Petrobrás pode operar no pré-sal. Mas, segundo o presidente do instituto, Jorge Camargo, o governo pretende permitir que outras companhias liderem investimento na área. O IBP estima a existência de reservas de 8 bilhões a 13 bilhões de barris em áreas de unitização, grande parte no pré-sal, que exigiriam investimento de US$ 120 bilhões. 

O fim da obrigatoriedade de a Petrobrás ser a única operadora no pré-sal é debatido no Congresso, onde tramita projeto de lei do senador José Serra (PSDB-SP). Petroleiras estrangeiras reivindicam a aprovação das mudanças e ganham adeptos à medida que cresce a dificuldade de caixa e limitação de investimento da Petrobrás. A proposta, no entanto, esbarra em resistências políticas, já que o pré-sal e o seu desenvolvimento estatal são bandeiras políticas de campanha da presidente Dilma Rousseff. 

A abertura para que estrangeiras entrem no pré-sal por meio da unitização significaria uma alteração de rota na condução do setor pela presidente. A discussão de casos específicos, como do campo de Gato do Mato, na Bacia de Santos, descoberto pela Shell, se estende há mais de um ano, sem que o governo tenha chegado a uma conclusão até agora. 

A petroleira anglo-holandesa descobriu uma reserva de pré-sal abaixo da sua concessão para explorar no pós-sal. Para que a Petrobrás entrasse no projeto, como previsto em lei, a Shell poderia ser obrigada a abrir mão do campo onde já investiu. 

Ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o IBP afirmou que não comenta "questões específicas das empresas". Mas admitiu que ouviu de Dilma e Braga que o governo considera ter outros operadores, além da Petrobrás, em unitizações no pré-sal, antes que o debate seja concluído no Congresso. Segundo o instituto, "o governo entendeu que precisa olhar atentamente essa questão". 

Sem detalhar as medidas que serão tomadas para permitir a entrada de estrangeiras no pré-sal, Camargo, em entrevista coletiva para falar do que foi debatido ontem no encontro, disse apenas que a ideia é regulamentar a unitização e, possivelmente, promover leilões nessas áreas, ainda sem data para acontecer.

Incentivos. Sensível aos efeitos da queda do preço do petróleo no setor, um dos pilares da economia brasileira, o governo prepara um pacote de medidas para incentivar o investimento por petroleiras. “Está muito perto de ser decidido (o pacote de medidas), faltam apenas detalhes. Acho que as medidas podem ser anunciadas na próxima semana ou na outra”, afirmou o secretário de Petróleo, Gás Natural e de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia, 

Marco Antônio Almeida. Entre as medidas avaliadas, segundo o IBP, está a extensão do Repetro, um regime fiscal que isenta de impostos a importação de equipamentos, principalmente plataformas. A continuidade do regime desagrada a indústria nacional, que reclama do favorecimento dado aos produtores estrangeiros de máquinas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX