1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo propõe alongar dívidas dos Estados em até 20 anos

- Atualizado: 04 Março 2016 | 22h 54

Ministro Nelson Barbosa anunciou a proposta e afirmou que medida é o que a União pode oferecer diante da crise fiscal

BRASÍLIA - Após uma longa reunião com governadores e secretários estaduais de Fazenda, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou que o governo federal propôs aos Estados o alongamento a dívida em 20 anos incluindo as dívidas com o BNDES, que teriam um alongamento de 10 anos com quatro anos de carência. Segundo o ministro, os Estados que quiserem um prazo adicional precisarão apresentar contrapartidas adicionais. "Essa é uma ajuda que a União oferece neste momento, mas esse auxílio não deve ser somente uma medida de curto prazo", disse.

Em meio à nova fase da operação Lava Jato que mirou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Barbosa afirmou que a situação econômica que estamos passando exige respostas rápidas. "Eu tenho certeza que, no contexto político, todos os parlamentares e governadores estão interessados na recuperação da economia", afirmou após reunião que contou com a presença da presidente Dilma Rousseff. 

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

 A proposta da União inclui um programa de recuperação fiscal e consolidação fiscal dos Estados. Segundo Barbosa, a ideia é alongar a dívida em até 20 anos incluindo dívidas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 10 anos, "dos quais quatro anos serão de carência e os seis anos restantes para pagar a dívida". 

Na avaliação de Barbosa, isso é o que a União pode oferecer aos Estados neste momento de queda de receita e dificuldade fiscal. Sobre as medidas que podem incrementar a arrecadação, o ministro ressaltou que "a CPMF é um processo de construção e vários governadores manifestaram apoio à proposta".

Sobre o envio das medidas fiscais anunciadas mês passado ao Congresso, Barbosa reforçou que elas serão enviadas até março. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX