Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Governo tenta passar sinais de austeridade

Com dólar acima de R$ 4, presidente Dilma montou operação para acalmar o mercado

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

22 Setembro 2015 | 22h40

BRASÍLIA - Preocupada com a alta do dólar, que fechou acima de R$ 4 pela primeira vez na história, a presidente Dilma Rousseff montou nesta terça-feira uma operação para emitir sinais de austeridade ao mercado. Com receio de novo rebaixamento da nota de crédito do Brasil por agências de classificação de risco, Dilma pediu ao PMDB e a líderes de partidos aliados que pusessem em votação, na sessão do Congresso, os vetos aos projetos da “pauta-bomba”, chamada assim por aumentar os gastos do governo.

“Não temos tempo a perder”, disse Dilma, segundo relato de interlocutores ao Estado. No Palácio do Planalto, muitos auxiliares da presidente lembravam nesta terça-feira que dólar acima de R$ 3,50 significa desconfiança na economia e no governo. Ou, nas palavras de um ministro, “febre na certa”.

Até segunda-feira, a estratégia do Planalto era adiar a votação, porque o governo avaliava não ter votos suficientes para derrubar o reajuste de 70% para os servidores do Judiciário nem a extensão do aumento do salário mínimo aos aposentados. Tudo mudou, porém, quando o dólar ultrapassou a barreira dos R$ 4.

Dilma escalou os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça), Ricardo Berzoini (Comunicações), Edinho Silva (Comunicação Social) e o assessor especial Giles Azevedo para fazer a contagem dos votos necessários no Congresso, na tentativa de jogar por terra a pauta-bomba.

Além disso, Dilma conversou com os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ela telefonou, ainda, para líderes de partidos aliados nas duas Casas e destacou ministros, como Eduardo Cardozo, para pedir o apoio do PSDB e de outros partidos de oposição. “Nós temos de pensar no País, manter a governabilidade”, resumiu o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE). 

Em conversas reservadas, ministros diziam, no fim da tarde, antes da votação no Congresso, que a disparada do dólar e os projetos que aumentavam em R$ 127,8 bilhões as despesas do governo passavam para o mercado a imagem de “fim do mundo” e, por isso, era preciso acalmar os investidores. 

O Brasil perdeu recentemente o selo de bom pagador, concedido pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, depois que o governo enviou ao Congresso projeto de lei orçamentária prevendo déficit de R$ 30,5 bilhões em 2016. Na tarde desta terça-feira, o Planalto encaminhou o novo pacote fiscal ao Congresso, com medidas polêmicas para cobrir o rombo, como a volta da CPMF

Ao longo de todo o dia, Dilma não escondeu a apreensão com a alta do dólar. Nos bastidores, ministros diziam que deixar a situação assim era como admitir que o antitérmico não estava funcionando. O pior, afirmavam eles, era que o Banco Central, entrando nessa operação, só fez aumentar a temperatura.

Mais conteúdo sobre:
dilma rousseff austeridade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.