1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo vai desligar sete térmicas em março e prevê redução de 7% na conta de luz

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 20h 53

Consumidores passarão a ser tarifados pelo bandeira amarela, mais barata do que a vermelha

Aneel diz que País está entrando em período de baixa no custo de geração e produção de energia

Aneel diz que País está entrando em período de baixa no custo de geração e produção de energia

Depois de a tarifa de energia ter disparado em 2015, com uma alta de 48,99% para as famílias, o governo anunciou nesta quarta-feira, 3, uma redução. A partir de março, com a bandeira amarela substituindo a vermelha (espécie de gatilho que altera o custo), a expectativa é de uma queda de 7% na conta de luz. Para o ano, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, projetou um reajuste menor que o observado em 2015 e até abaixo da inflação.

Braga participou do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo que decidiu desligar mais 7 empreendimentos térmicos em março. Juntas, essas usinas geram até 2 mil megawatts de energia e, sem a operação delas, a expectativa é uma economia de R$ 7 bilhões. Em agosto do ano passado outras usinas já haviam sido paralisadas, o que também representou uma economia na geração de energia e colaborou para a redução no custo das tarifas que será observado a partir de março. 

O ministro avaliou ainda que, mantidas as condições climáticas, existe a possibilidade de se chegar a bandeira verde em abril, o que representaria nova redução. Ele, no entanto, ponderou que ainda é cedo para garantir essa redução. Com o desligamento das térmicas, apenas no sistema de bandeiras, haverá uma queda de R$ 3 da vermelha para R$ 1,50 na amarela.

“Estamos entrando em novo ciclo, com viés de baixa no custo de geração e tarifa para consumidor”, afirmou. De acordo com o ministro, os reservatórios das hidrelétricas estão em níveis elevados e a expectativa para novembro, no Sudeste, quando chegar o período de seca, é de que os reservatórios estejam em 30%. “Nós estamos com todos os cenários sendo analisados para que possamos chegar a novembro com capacidade de armazenamento de energia melhor que em 2015.” 

Térmicas. Ele afirmou que manter a bandeira vermelha seria impor um custo desnecessário ao consumidor. Contando as térmicas que foram desligadas em agosto de 2015, cerca de 40% delas foram paralisadas. “Não vai haver desabastecimento, as decisões foram tomadas de forma prudente”, garantiu.

Romeu Donizete Rufino, diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), afirmou que o Brasil conseguiu inverter o ciclo de alta das tarifas. “O processo tarifário em 2016 deve ser bem mais comportado que no ano passado, com reajustes inferiores até mesmo que a inflação”, ponderou.

O Conselho ainda considerou que o risco de desabastecimento de energia continua em zero em fevereiro nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e no Nordeste e que o cenário indica suficiência de suprimento energético neste ano. No fim da coletiva que anunciou a redução de tarifas, Braga afirmou que o governo deve lançar depois do carnaval medidas de estímulo para a indústria de petróleo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX