1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Graça Foster diz não saber de esquema de propinas

- Atualizado: 21 Março 2016 | 23h 18

Ex-presidente da Petrobrás responde a processos nos Estados Unidos movidos por investidores contra a petroleira

Graça Foster foi presidente da Petrobrás de 2012 a 2015

Graça Foster foi presidente da Petrobrás de 2012 a 2015

NOVA YORK - A ex-presidente da Petrobrás Maria das Graças Foster, que é ré nos processos contra a petroleira brasileira nos Estados Unidos, negou em documento enviado à Corte de Nova York que soubesse de irregularidades na companhia investigadas pela operação Lava Jato, incluindo a compra da refinaria de Pasadena por preço inflado e pagamento de propinas por empreiteiras a funcionários da empresa. Graça pede que o juiz responsável pelo caso, Jed Rakoff, rejeite as acusações dos investidores.

No começo do mês, outro ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, também réu no processo, já havia enviado documento em que negava ter conhecimento dos desvios de recursos e pagamentos de propinas que envolveram a Petrobrás e um grupo de construtoras. Outros diretores, como o ex-diretor financeiro, Almir Barbassa, também negaram, em documentos separados, saber das irregularidades.

Os advogados de Graça Foster, que foi presidente da Petrobrás entre 2012 e o começo de 2015, contestam uma a uma as 681 acusações feitas pelos investidores no processo consolidado da petroleira, apresentado ao juiz em dezembro de 2015. “A diretoria executiva da Petrobrás, incluindo Graça Foster e Gabrielli, tiveram repetidas informações sobre as fraudes”, afirmam os fundos na ação coletiva consolidada.

Graça Foster nega que soubesse do esquema e ainda contesta a informação presente no processo dos fundos de que foi informada das irregularidades pela gerente de abastecimento da Petrobrás, Venina Velosa da Fonseca. A gerente afirma ter enviado e-mails para Graça, então diretora da área de gás e energia, e que em 2008 a encontrou pessoalmente para falar das supostas irregularidades de contratos com preços inflados.

A ex-presidente da Petrobrás afirma saber que ex-funcionários da estatal, como o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, foram presos, acusados de pagamento de propina e outras irregularidades, mas nega que ela também soubesse na época desses esquemas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX