1. Usuário
Assine o Estadão
assine


GRANDES OBRAS DEIXAM COMO HERANÇA PROGRESSO E CAOS

Altamira, no Pará, e Porto Velho, em Rondônia, se transformam com a construção de usinas hidrelétricas

Renée Pereira (texto) e Sergio Castro (fotos)

14 Junho 2014 | 18h 06

 A construção de grandes obras sempre transforma as cidades que estão no seu entorno, para o bem ou para o mal. Sem planejamento adequado, todos os ganhos econômicos conseguidos com o aumento da população, consumo e renda se transformam em desequilíbrios difíceis de serem revertidos. Quando a obra é concluída, sobram problemas. O nível de desemprego aumenta num cenário quase sempre de índices de criminalidade elevados. Os comerciantes fecham os estabelecimentos e correm para a próxima oportunidade.

Na reportagem deste domingo, relatamos o dia a dia de Altamira, que vive o auge da construção da Hidrelétrica de Belo Monte, e Porto Velho, que começa a sentir a ressaca do fim das usinas de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira. Os dois empreendimentos já foram feitos sob as regras de exigência de condicionantes para amenizar os impactos ambientais e sociais. 

A nova ocupação da Amazônia

Altamira, no Pará, e Porto Velho, em Rondônia, se transformam com a construção de usinas hidrelétricas

.

 

As cidades têm aproveitado para obter melhorias em serviços essenciais para a população, como saneamento básico, construção de escolas e hospitais. A ideia é conseguir que os empreendimentos deixem um legado importante para a população, já que ao fim das obras o impacto nas finanças da região é elevado e certo. O objetivo é evitar que casos antigos, como o do antigo Projeto Jari e Tucuruí, se repitam. 

O Projeto Jari foi idealizado pelo americano Daniel Keith Ludwig, que sonhou construir um império na Amazônia com atividades voltadas à exploração de celulose, pecuária e agricultura. Iniciado na década de 60, o projeto (que vingou apenas na parte da celulose) criou duas cidades opostas. Do lado do Amapá, a cidade dos trabalhadores virou uma imensa favela sobre palafitas, já considerada a maior do mundo. Do outro lado, no Pará, o distrito de Monte Dourado é uma comunidade planejada, nos moldes da classe média americana. Em Tucuruí, depois que a construção da usina acabou, a economia minguou e a população ficou sem emprego e renda.

Com Belo Monte, Altamira tem dias de cidade grande

 Desde que a bilionária Hidrelétrica de Belo Monte, no oeste do Pará, começou a ser construída, Altamira vive dias de cidade grande. O trânsito é caótico, a população não para de crescer e os índices de criminalidade aumentam. Por outro lado, o município ganhou novas redes de varejo, obras de infraestrutura e novos projetos comerciais, como shopping centers. Por enquanto, a população só consegue ver a parte ruim. Se antes a opinião sobre a usina era dividida, hoje a maioria se diz contra.

A principal reclamação é com os constantes congestionamentos e com o aumento da criminalidade. Em menos de três anos, a frota de automóveis cresceu 83%. A de motocicletas, 113%. A cidade tem sido campeã nacional na comercialização de motos. Apenas numa loja são vendidas entre 130 e 150 unidades por mês - número que ajuda no aumento de acidentes no trânsito. Nos últimos três meses, duas mortes de ciclistas chocaram a cidade. Uma delas ocorreu na Avenida Djalma Dutra, principal rua de Altamira, onde a bicicleta da vítima está pendurada no poste do semáforo, como forma de protesto.

“Só estamos vendo os malefícios da obra. Aqui era tranquilo. Agora vira e mexe uma pessoa morre atropelada”, afirma o guarda de trânsito Mizael Carneiro. Outro problema causado pelo aumento da frota é a falta de lugar para estacionar. Sem espaço disponível nas ruas estreitas da cidade, os raríssimos estacionamentos cobram preço semelhantes aos de São Paulo. Uma hora custa R$ 10. Um mês, R$ 390. “Tanto transtorno não compensa”, diz Ocleci Polla, dona de uma loja de chocolates.

Além do aumento de carros e motos nas ruas, os congestionamentos têm sido causados por obras de saneamento, que interditam várias ruas. Como parte do Projeto Básico Ambiental, a Norte Energia - concessionária de Belo Monte - está construindo 220 quilômetros (km) de rede de esgoto e 170 km de tubulações de água potável. Até agora foram concluídos 134 km de esgotamento sanitário e 108 km de rede de água. A oferta de água potável na cidade será reforçada com a construção de oito reservatórios.

Hoje Altamira não tem sistema de coleta e de tratamento de esgoto e o atendimento de água encanada é restrito a 14% do município. A obra colocará a cidade entre as poucas do Estado com saneamento básico. Mas, como nem tudo pode ser perfeito, a grande polêmica do momento é quem fará a ligação entre residências e rede, diz o empresário Waldir Antonio Narzetti. 

Como as casas foram construídas sem essa infraestrutura, o investimento para se conectar ao sistema deve ficar por volta de R$ 4 mil - dinheiro que muitos moradores não têm. A Norte Energia fará todo o investimento da rede e, quando concluída, entregará para a prefeitura. Mas, segundo Narzetti, a discussão é que a responsável pelo saneamento da cidade é a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), que não consegue resolver nem os problemas de vazamento. 

O empresário conta que outro investimento de extrema importância para a cidade já tem sentido os efeitos da má gestão. A Norte Energia construiu um aterro sanitário e entregou para a prefeitura. “Mas já está dando problema, pois não tem recebido o tratamento adequado.” 

Narzetti questiona a lentidão dos investimentos da Norte Energia, mas reconhece que se a usina não estivesse em construção a cidade nunca teria saneamento básico ou asfalto no trecho urbano da Transamazônica. “Espero que todo o transtorno de hoje possa ser traduzido em melhorias no futuro.” A chegada da hidrelétrica transformou a cidade num canteiro de obras. Os outdoors anunciam venda de espaços em galerias, construção de shoppings, universidades e bairros planejados. Hoje há entre 8 e 10 loteamentos sendo vendidos. Altamira ganhou até um hotel em formato de castelo.

Por outro lado, o aumento do número de trabalhadores na hidrelétrica - são 25 mil no total - e novos moradores impulsionaram os índices de criminalidade. O superintendente regional da Polícia Civil, Cristiano Marcelo do Nascimento, conta que, de 2010 para cá, o número de homicídios cresceu 61% e o de estupros, 66%. O consumo de drogas também subiu. “Em 2010, 22 traficantes foram presos; e em 2013, 178. Neste ano deve passar de 200.” O delegado diz que 90% da droga consumida é crack. “Um grama de cocaína custa R$ 70. É caro para a população local.”

Moradores deixam palafitas e ocupam novas casas de 60 m²

Loteamento fica mais distante, mas moradores estão livres dos riscos provocados pelo lixo espalhado, esgoto a céu aberto e constantes inundações

ALTAMIRA - Foram 15 anos de muitas noites em abrigos, de móveis perdidos pela cheia do Rio Xingu e medo de perder a vida. “Todo inverno era a mesma coisa. A água subia 2,4 metros e tinha de sair correndo de casa”, lembra Eduardo Barbosa da Silva, de 56 anos. Há três meses, os dias de agruras vividos nas palafitas de Altamira terminaram e, enfim, ele tem uma casa de verdade para morar com a mulher e os filhos. “O conforto que temos aqui nem se compara com a vida que tínhamos nas palafitas.”

O imóvel faz parte do Projeto Básico Ambiental da Hidrelétrica de Belo Monte. Todas as palafitas (casas de madeira construídas sobre estacas em áreas que são alagadas na época de chuvas) de Altamira serão destruídas e os moradores deslocados para as 4.100 casas em cinco novos bairros que estão sendo construídos pela Norte Energia, empresa que detém a concessão da usina. 

Silva se mudou para o bairro Jatobá, o primeiro a ser entregue pela companhia, que já tem 229 famílias. São 1.235 residências, todas no mesmo formato. As casas têm 60 metros quadrados (m²), com três quartos, sala, cozinha e banheiro num terreno de 300m². Para diferenciar, cada morador escolheu a cor que queria para a frente da residência. A de Silva é azul.

Ao contrário das palafitas, que ficam próximas da região central da cidade, os novos bairros são mais afastados - cerca de 15 minutos do centro. O trajeto até Jatobá é ruim, com ruas de terra e esburacadas. Mas, no bairro, as vias são amplas e pavimentadas. O melhor de tudo, no entanto, é que os moradores estão livres dos riscos que as palafitas representavam, com lixo espalhado por todo lado, esgoto a céu aberto e constantes inundações.

“Aqui é longe, mas as crianças podem brincar sossegadas”, afirma Benigna Rabelo Dutra, de 57 anos, que passou boa parte da vida na zona rural. Para escapar da malária que ameaçava a saúde dos filhos, mudou-se para a cidade e foi viver num assentamento. Ali, teve de conviver com as constantes enchentes a cada inverno. Com seis filhos e 24 netos, ela banca sozinha as seis pessoas que moram na nova casa. Sobrevive da aposentadoria e da venda de chopp, mas conhecido como geladinho ou chup-chup no Sudeste.

Apesar das dificuldades, ela mostra com orgulho as aquisições e melhorias feitas no imóvel. Na sala, o sofá e a mesa são forrados com tecidos verdes, trocados toda semana. O rack e a TV de 42 polegadas foram adquiridos recentemente. “Antes não dava para fazer nada, pois a cada chuva corríamos o risco de perder tudo.”

No fundo da casa, ela construiu uma cozinha ampla, onde só falta colocar as “lajotas”. “E ainda vai ter uma churrasqueira, que acabei de comprar.” Silva também tem planos de ampliar o imóvel. “Quero construir mais dois quartos, uma cozinha e fazer muro em volta de toda a casa”, diz ele, que recebe um salário mínimo do INSS, depois que perdeu uma perna. “Não é muito, mas graças a Deus me ajuda bastante.”

À espera da casa nova. Enquanto Benigna e Silva festejam a vida nova, outros esperam ansiosos para deixar de vez as palafitas. Francisca do Socorro das Chagas ainda não faz ideia de quando vai mudar. Sua casa, no entanto, parece não aguentar muito tempo. Construída à beira de um córrego, a casa está tombada para um lado e as pontes de acesso com as tábuas soltas, um perigo para as crianças que transitam sem parar pelo local. “Quero mudar logo, mas ninguém diz quando será. A única coisa que sei é que iremos para o bairro São Joaquim.”

A filha de Maria Aparecida Silva está prestes a fazer a mudança, também para o São Joaquim. Durante a visita da reportagem, sua filha tinha ido olhar a casa nova. “Minha neta chora toda vez que vê um vizinho mudar. Ela sempre diz que não dá para brincar aqui. De um lado corre o risco de cair na água, do outro pode ser atropelada pelos carros.” Naquele dia, o barraco da vizinha que havia acabado de mudar estava sendo desmontado. As empresas responsáveis pela demolição contam que, se deixarem um dia o barraco vazio, no dia seguinte aparece alguém para ocupar. “E depois só pagando para eles saírem”, conta um funcionário da empresa contratada pela Norte Energia.