Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas
Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas

Ibovespa renova recorde e chega a 74.787 pontos

Dólar sobe 0,35% a R$ 3,13 na venda; mercado mostrou-se otimista pela visão de recuperação de força do governo para avançar sua agenda de reformas

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 17h32

O principal índice da Bovespa fechou no azul nesta quarta-feira, 13, renovando máxima histórica pelo terceiro pregão seguido e fechando a 74.787 pontos, alta de 0,33%. O movimento explica-se pela visão de recuperação de força ao governo para avançar sua agenda de reformas voltando a crescer, apesar de alguma cautela após o presidente Michel Temer voltar a ser alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF).

Em setembro, o índice acumula avanço de 5,58%, e em 2017, ganhos de 24,18%. O giro financeiro nesta quarta ficou em R$ 11,4 bilhões.

O dólar terminou a quarta-feira com leve alta, a terceira seguida, com os investidores cautelosos com a cena política doméstica após o presidente Michel Temer ter se tornado alvo de novo inquérito e depois da prisão do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista.

A moeda norte-americana avançou 0,35%, a R$ 3,1385 na venda.

++ Ibovespa sobe 1,75% e chega à 2ª máxima histórica de fechamento

“Por enquanto, o mercado está lateral, mas o dólar pode subir um pouco mais, dependendo do noticiário. Mas acho difícil ir acima de R$ 3,20”, avaliou o gerente de Tesouraria do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

Na véspera, o dólar teve sua maior alta percentual ante o real em quase um mês após o presidente Michel Temer voltar a ser alvo de inquérito, a partir da delação de executivos da J&F, sob a suspeita de que ele possa estar envolvido num esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto que mudou regras portuárias.

Cenário. Após a prisão de seu CEO Wesley Batista, a JBS fechou o dia entre as maiores altas do Ibovespa. Segundo operadores, a interpretação dos investidores é que o episódio pode facilitar a saída de Wesley do comando da companhia, algo que já era desejado pelo BNDESPar e pelos minoritários. Segundo apurou a Coluna do Broadcast, o conselho vai se reunir nesta quarta-feira para definir novo presidente

++ Um dia antes de delação vazar, JBS foi a 2ª maior compradora de dólar do País, diz PF

A empresa ainda não se pronunciou sobre qualquer alteração em seu cargo administrativo e disse que não vai comentar o assunto. A medida cautelar em relação ao empresário não implica diretamente em seu afastamento da função e ele pode ainda permanecer no cargo. No entanto, o mercado já especula o que pode acontecer com a principal cadeira da maior processadora de proteínas do mundo nos próximos dias.

Petrobrás. As ações da Petrobrás chegaram a subir mais de 2% durante a tarde, seguindo de perto as cotações do petróleo no exterior. Os papéis encerraram o dia com altas de 1,08% (PN) e 1,82% (ON). Segundo operadores, pesou menos a notícia de repactuação do déficit do fundo de pensão Petros, que já estava parcialmente precificada, e também por conta do tempo em que foi diluída a parte da estatal na cobertura das perdas do fundo.

Analistas do Goldman Sachs reviram para baixo as projeções financeiras da Petrobrás nos exercício de 2018 a 2021. De acordo com relatório elaborado por Bruno Pascon, Victor Hugo Menezes e Gabriel Francisco, o Free Cash Flow (FCF) da estatal cairá entre 3% e 5,2% das estimativas iniciais do banco para 2018 a 2021, levando em conta que as contribuições serão decrescentes./Equipe AE e Reuters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.