Tasso Marcelo|Estadão
Tasso Marcelo|Estadão

Idec divulga produtos inspecionados na Carne Fraca; veja lista

Após pedido do instituto, Senacon enviou informações sobre marca, lote e prazo de validade dos produtos fraudados

O Estado de S.Paulo

20 Abril 2017 | 18h44

Nesta quinta-feira, o Instituto de Defesa ao Consumidor divulgou uma lista com informações detalhadas sobre os produtos alvos da Operação Carne Fraca. Além das marcas, o documento especifica lote, data de validade e os problemas encontrados em cada um deles. A instituição obteve as informações após pedido à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligada ao Ministério da Justiça.

Entre os produtos com  irregularidades há salsichas, linguiças, hambúrgueres e frangos congelados. A Senacon determinou o recolhimento cautelar de todas as mercadorias consideradas fraudadas. Segundo o documento, foram abertas investigações contra 23 empresas até o momento, entre elas BRF, JBS, Peccin e Seara.

“Com essas informações, o consumidor será capaz de verificar se comprou um produto fraudado ou não. Por meio do SIF [Serviço de Inspeção Federal] e do lote, ele conseguirá identificar na prateleira se aquele produto está na lista e comunicar à gerência do estabelecimento para que o retire imediatamente do ponto de venda”, afirma Ana Paula Bortoletto, nutricionista do instituto.

O Idec afirmou ainda que espera que os produtos considerados fraudados já estejam fora do mercado, mas alertou os consumidores a permanecerem atentos.

Problemas encontrados. Entre os problemas identificados na lista, há irregularidades que não representam risco para a saúde, como o uso de ácido sórbico/sorbato, amido e carboidratos acima do permitido.

O uso dessas substâncias, porém, acaba lesando o consumidor por piorar qualidade do produto, uma vez que há menos carne do que o indicado. O mesmo acontece em caso de adição de água. Já os produtos com presença de salmonella representam risco à saúde, assim como de staphylocccus coagulase. 

O que fazer. Caso encontre algum produto da lista abaixo em casa, o consumidor deve entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do fabricante do produto para exigir a imediata substituição ou a restituição da quantia paga, com correção monetária.

Se alguma das mercadorias for vista à venda, a orientação é informar o gerente do estabelecimento e também entrar em contato com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e com a Senacon. 

CONFIRA A LISTA POR EMPRESA

Peccin

BRF

Transmeat

Frigosantos

Souza Ramos

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Operação Carne Fraca Idec Consumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.