Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Impacto eleitoral do rebaixamento pela S&P depende da reforma da Previdência, diz Maia

Segundo o presidente da Câmara, se as mudanças nas aposentadorias não forem aprovadas, os indicadores econômicos e o humor da sociedade 'podem piorar'

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2018 | 17h32

BRASÍLIA - Apontado como um dos pré-candidatos ao Palácio do Planalto neste ano, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira, 12, que o impacto eleitoral do rebaixamento do rating do Brasil pela agência S&P dependerá da aprovação da reforma da Previdência. 

"Depende. Pelo mercado de hoje, (o impacto é) pequeno. Mas se não votar a Previdência, os indicadores econômicos podem piorar, e o humor da sociedade piorar também", declarou o deputado, ao ser questionado pelo Estadão/Broadcast a respeito do impacto do downgrade sobre os candidatos governistas à Presidência da República.

++'Governo fez progressos lentos na área fiscal', diz diretora da S&P

Maia avaliou que a mudança no rating poderá até ajudar na aprovação da reforma, desde que o governo não transfira a culpa pelo rebaixamento "apenas para o Parlamento". "Não adianta encontrar culpados e, sim, unir forças para aprovar a reforma. Esse discurso de descobrir culpados só prejudica", disse. 

O presidente da Câmara ficou irritado com declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Também apontado como possível candidato, o ministro disse que o Congresso tem culpa pelo rebaixamento por não ter aprovado medidas do ajuste. "Resposta de candidato, uma pena", criticou Maia.

++ADRIANA FERNANDES 'Dream team' falhou

O deputado afirmou que a S&P não jogou a culpa apenas no Congresso. "Eles falam de problema institucional", disse. Segundo ele, o governo também tem parcela de culpa, pois se enfraqueceu após a votação das duas denúncias contra o presidente Michel Temer. 

Ele rebateu discurso de que o rebaixamento pode fazer fazer deputados "jogarem a toalha" de vez e votarem contra a reforma. "A votação poderá garantir um crescimento forte da economia e isso impactar a vida das pessoas, o que melhora a avaliação política", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.