1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Impeachment é uma das saídas para a crise, diz ex-presidente do BC

- Atualizado: 18 Março 2016 | 16h 31

Para Pastore, saída da presidente seguida de mudança de governo de forma legítima ajudaria a mudar o quadro atual da economia

Sem mudança, Brasil caminha para crise tão grave quanto a de 1985, diz Pastore

Sem mudança, Brasil caminha para crise tão grave quanto a de 1985, diz Pastore

O ex-presidente do Banco Central Affonso Celso Pastore defendeu nesta sexta-feira, 18, uma mudança de rumos no cenário político brasileiro para aumentar a eficácia da política monetária e consequentemente maior no controle da inflação no País.

Segundo Pastore, ingredientes políticos diminuem a potência da política monetária. O impeachment da presidente Dilma Rousseff acompanhado da mudança de governo de forma legítima seria uma das saídas para a crise.

"Muda o governo, entra um governo com legitimidade, política econômica coerente, bem feita, com uma agenda de reformas, muda totalmente esse quadro. E aí voltamos a pensar numa política monetária", disse Pastore durante o seminário "Política Monetária no Brasil", em homenagem aos 70 anos do professor José Júlio Senna, na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Pastore alertou que, se não houver mudança, o Brasil caminha para uma crise tão grave quanto a de 1985, quando deixou o Banco Central, às vésperas da implementação do Plano Cruzado.

"Não tenho nada contra o regime de metas. Pelo contrário, adoro o regime de metas. Só que temos problemas no Brasil hoje que não dá para salvar com regime de metas de inflação. Precisamos salvar o Brasil hoje para poder trazer de volta o regime de metas", declarou o ex-presidente do BC.

A inflação oficial no País, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 10,67% em 2015, enquanto que o teto da meta estipulada pelo governo era de 6,5%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX