1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Indexação mantém inflação pressionada

- Atualizado: 13 Fevereiro 2016 | 05h 00

Para analistas, reajustes de contratos e de serviços tendo como base a inflação de 10,67% de 2015 impedem recuo maior do IPCA

A indexação que persiste em boa parte dos preços, segundo analistas, deve impedir um recuo mais acentuado da inflação deste ano, o que poderia ocorrer por causa da forte recessão, do aumento do desemprego e da queda na renda. Para 2016, é esperado um avanço de 7,5% na inflação e uma retração de 3,2% no Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com o último Boletim Focus, do Banco Central.

A alta de 1,27% do IPCA em janeiro, a maior para o mês desde 2003, surpreendeu os economistas. Também revelou a forte presença da indexação formal e informal, isto é, o mecanismo pelo qual os preços são reajustados por meio de contratos ou simplesmente porque o prestador do serviço ou o vendedor do produto informalmente aumenta o preço para preservar renda.

Alta do preço da passagem do ônibus influenciou o IPCA de janeiro

Alta do preço da passagem do ônibus influenciou o IPCA de janeiro

Dos 384 itens que compõem o IPCA, o índice oficial de inflação, os economistas não sabem exatamente quantos são indexados. O que se pode dizer é que os preços administrados, que geralmente seguem uma regra para serem reajustados, representam um quarto do indicador. De toda forma, especialistas concordam que a indexação está espalhada por todo o IPCA.

Indexação informal. Cerca de 70% da inflação de janeiro pode ser explicada pelo choque de preços dos alimentos in natura, por causa do efeitos climáticos do El Niño, e pelo reajuste das tarifas de ônibus urbanos, apontou o IBGE. “Mas houve uma pressão de preços que tem a ver com a indexação, isso não dá para negar”, diz Fábio Romão, economista da LCA Consultores. Como parte das rédeas da inflação se perderam, a indexação informal apareceu de maneira importante e disseminada no IPCA neste início de ano, explica.

Retrovisor. Como exemplo, ele citou o aumento de 1,27% dos preços dos serviços de saúde, que incluem consulta médica e serviços dentários. “Esse profissional liberal aproveitou a virada do ano para reajustar preço e o aumento de 2016 foi mais salgado do que o de janeiro de 2015 (0,99%), porque ele olhou pelo retrovisor e viu que a inflação de 2015 (10,67%) foi mais alta do que a que ocorreu em 2014 (6,40%).”

Na avaliação de Elson Telles, economista do Itaú Unibanco, depois de o IPCA ter atingido dois dígitos em 2015, todo o reajuste deste início de ano vai levar em conta essa inflação passada. “Com a inflação passada de dois dígitos, a indexação aumenta porque as pessoas não querem perder renda.” Telles citou o reajuste dos ônibus urbanos ocorrido no início do ano, cuja média foi de 10%.

Outro caso de indexação, porém prevista em contrato, que afeta o IPCA neste começo de ano é do reajuste da mensalidade escolar. Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sindicato dos Estabelecimento de Ensino no Estado de São Paulo (Sieeesp), disse que o aumento médio neste ano foi de 12%, seguindo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Isso porque o item que mais pesa nos custos da escola, cerca de 60%, é a folha de salários, que é reajustada pela variação do INPC. “Não podemos reajustar menos do que isso. As escolas estão no limite”, disse.

Respiro. Apesar de a inflação acumulada em 12 meses estar ganhando força neste momento por causa da alta dos preços dos alimentos in natura, do recente reajuste de tarifas de transporte e da inflação herdada de 2015 que aparece nos preços indexados formal e informalmente, Romão ponderou que, ao longo do ano, poderá ocorrer algum “respiro” por causa do reajuste menor dos preços administrados, que subiram 18% no ano passado e neste ano devem subir bem menos da metade.

Além disso, a queda real de 3,7% na renda dos trabalhadores em 2015, com mais força no segundo semestre, deve ter impactos mais expressivos sobre a demanda e a inflação na segunda metade deste ano.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX