1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Índice de reajuste do aluguel acelera para 1,29% em fevereiro

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 09h 00

A variação acumulada do IGP-M em 2016 é de 2,44% e, em 12 meses até fevereiro, é de 12,08%, mostra índice calculado pela FGV

O preço de hortaliças e legumes desacelerou de uma alta de 19,44% para 5,29%

O preço de hortaliças e legumes desacelerou de uma alta de 19,44% para 5,29%

SÃO PAULO - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) acelerou de 1,14% em janeiro para 1,29% em fevereiro, divulgou nesta sexta-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV).  Em fevereiro de 2015, a variação foi de 0,27%. A alta acumulada do IGP-M em 2016 é de 2,44% e, em 12 meses até fevereiro, é de 12,08%.

O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pela Agência Estado, entre 1,15% a 1,35%, e acima da mediana de 1,24%.

Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) avançou de 1,14% em janeiro para 1,45% em fevereiro. Na mesma base de comparação, o  Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) saiu de 1,48% para 1,19%. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) acelerou de 0,32% para 0,52%.

No caso do IPA, o índice relativo aos Bens Finais desacelerou na passagem de janeiro para fevereiro, de 1,84% para 1,43%. Contribuiu para essa desaceleração o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de 7,60% para 2,48%. Por outro lado, o índice referente ao grupo Bens Intermediários passou de 0,69% para 1,16%, com pressão do subgrupo materiais e componentes para a manufatura.

No estágio inicial da produção, o índice do grupo Matérias-Primas Brutas também acelerou, passando de 0,85% para 1,83%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: milho (em grão) (9,68% para 17,79%), bovinos (0,09% para 2,63%) e cana-de-açúcar (1,39% para 4,03%). 

A principal contribuição para a desaceleração dos preços ao consumidor (IPC) partiu do grupo Alimentação (2,36% para 1,42%), com destaque para hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 19,44% para 5,29%. Passado o período de matrículas, os preços referentes à educação também desaceleraram, passando de 3,67 % para 2,06%.

O INCC, por sua vez, registrou variação de 0,52% em fevereiro, acima do resultado de janeiro, de 0,32%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,51% ante 0,15% no mês anterior.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX