1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Índice de reajuste do aluguel desacelera em março e acumula alta de 11,56% em 12 meses

- Atualizado: 30 Março 2016 | 09h 00

IGP-M veio mais fraco, sobretudo, por conta da queda de preços em alguns itens do atacado; em março, indicador ficou em 0,51%

IGP-M é o índice mais utilizado no reajuste de contratos de aluguel

IGP-M é o índice mais utilizado no reajuste de contratos de aluguel

SÃO PAULO - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou de 1,29% em fevereiro para 0,51% em março, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com isso, o indicador - muito utilizado no reajuste de aluguel - acumula alta de 11,56% em 12 meses. No ano, a variação é de 2,97%.

O resultado do IGP-M de março ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas, que ia de 0,20% a 0,58%, e acima da mediana encontrada, de 0,45%.

Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o IPA-M (inflação no atacado) saiu de 1,45% em fevereiro para 0,44% em março. Na mesma base de comparação, o IPC-M (inflação ao consumidor) passou de 1,19% para 0,58%. O INCC-M (inflação da construção civil) acelerou de 0,52% para 0,79%.

O resultado do IGP-M foi impactado pela queda de preço dos Bens Intermediários, cuja taxa saiu de alta de 1,16% para deflação de 0,93%.  O principal responsável pelo movimento foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura (de 1,96% para -1,40%). Já o índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, teve queda de 0,77% em março, contra alta de 1,43%, em fevereiro.

O índice referente a Matérias-Primas Brutas também contribuiu para o alívio do IPA na margem. A taxa de variação do grupo passou de 1,83% em fevereiro para 0,82% em março. No estágio inicial da produção, os principais responsáveis pela desaceleração foram milho em grão (de 17,79% para 3,94%), soja em grão (de -1,45% para -6,73%) e mandioca (de 8,47% para -3,37%). 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX