1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Índice não sustenta 60 mil pts, mas tem máxima em 18 meses antes de Ibope

PAULA AREND LAIER - REUTERS

26 Agosto 2014 | 17h 52

No melhor momento do dia, alcançou 60.092 pontos, máxima intradia do ano e acima dos 60 mil pontos pela primeira vez em um ano e meio

O principal índice da Bovespa renovou pontuação máxima de fechamento em 18 meses, embora não tenha conseguido terminar o dia acima dos 60 mil pontos alcançado no melhor momento de sessão volátil, em meio a apostas para pesquisa Ibope sobre a corrida eleitoral prevista para ser divulgada nesta noite.

O Ibovespa subiu 0,14 por cento, a 59.821 pontos, renovando a máxima desde 1º de fevereiro de 2013. No melhor momento do dia, alcançou 60.092 pontos, máxima intradia do ano e acima dos 60 mil pontos pela primeira vez em um ano e meio. Na mínima, o índice tocou 59.522 pontos, queda de 0,36 por cento.

O volume financeiro da sessão somou 7,25 bilhões de reais.

Há expectativa de que o levantamento do Ibope mostre a candidata do PSB, Marina Silva, à frente da presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) em eventual segundo turno. Tais especulações já haviam animado a bolsa na véspera.

No meio da tarde, a Confederação Nacional do Transporte (CNT) antecipou resultados da pesquisa MDA sobre a corrida presidencial, dizendo que o levantamento mostra "forte crescimento" de Marina Silva e queda da presidente Dilma e Aécio Neves (PSDB).

Além do Ibope, deve acontecer nesta noite o primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República, na emissora de TV do grupo Bandeirantes (22h).

As ações da Petrobras não mostraram um rumo definido ao longo da jornada, chegando renovar máximas intradia no ano, mas terminaram no vermelho.

Para o sócio e gestor na Canepa Asset Management Alexandre Póvoa, Marina é um fator novo que não estava no radar do mercado o que no mínimo garante o segundo turno nas eleições. Ele também destacou a expressiva presença de capital externo.

"O estrangeiro está mandando na bolsa brasileira, e como o mercado externo não realiza (lucro)....", afirmou, citando o S&P 500 acima dos 2 mil pontos.

O saldo externo na Bovespa em agosto estava positivo em 1,5 bilhão de reais até dia 22. Os contratos em aberto de estrangeiros em Ibovespa futuro somavam 101.534 no dia 25 de agosto.

ALTOS E BAIXOS

A alta de Oi foi atrelada por agentes no mercado ao avanço de quase 7 por cento dos papéis da Portugal Telecom na bolsa de Lisboa, após a portuguesa esclarecer investimentos que tinha na Espirito Santo Investimentos. O andamento da fusão entre Oi e Portugal Telecom deixa as ações com flutuação mais próxima. A ação da brasileira acumula queda de 11 por cento em agosto.

Cemig liderou as perdas do Ibovespa em boa parte da sessão, após ter recomendação pelo JP Morgan reduzida de neutra para underweight, ou abaixo da média do mercado.

Os analistas da casa citaram que a ação subiu cerca de 60 por cento no ano em meio a fortalecimento da candidatura de Aécio Neves (PSDB) e esperança de que ele apoiaria a renovação das concessões das hidrelétricas Jaguara, São Simão e Miranda, cenário que se tornou incerto com a entrada de Marina Silva.

Papéis do setor bancário mostraram volatilidade, em sessão com dados fracos de crédito divulgados pelo Banco Central.

Vale ameaçou reagir à tarde, mas terminou em queda, após o minério de ferro com entrega imediata na China recuou para a mínima de quase 2 anos, abaixo de 89 dólares por tonelada.

Medida Provisória que abre crédito extraordinário de 5,4 bilhões de reais para o programa de concessão de financiamento estudantil Fies ajudou na alta de Estácio.