1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Indústria cai pelo 21º mês consecutivo

- Atualizado:09 Janeiro 2016 | 02h 55

Alguns fatos excepcionais, como a greve dos petroleiros e o desastre ambiental provocado pelo rompimento de barragens de rejeitos de minério de ferro da Samarco em Mariana (MG), influenciaram o desempenho da produção industrial em novembro, que caiu 2,4% em relação a outubro. Contudo, os principais fatores negativos continuam sendo a retração das indústrias automotiva e de bens de capital, como consequência da queda do consumo interno e da falta de investimentos.

Em declínio por 21 meses consecutivos, a produção da indústria instalada no País parece não ter chegado ainda ao fundo do poço. Em comparação com o mesmo mês de 2014, a queda foi de 12,4%. Tomando novembro isoladamente, foi o pior resultado para o mês da série iniciada em 2003.

O desempenho foi ainda pior do que antecipado pelos analistas, que previam uma queda em novembro, mas não tão pronunciada. O resultado foi impactado pela greve de petroleiros, que afetou não só a produção de petróleo em bruto, mas também de derivados e biocombustíveis (recuo de 7,8% em novembro, diante de outubro).

A indústria extrativa mineral também foi prejudicada pelo acidente de Mariana, comprometendo a produção de minério de ferro, tanto em bruto como peletizado, importante item das exportações brasileiras. Convém notar que as mineradoras vinham aumentando o volume de suas vendas externas como forma de compensar, em parte, a queda dos preços da commodity no mercado internacional.

Já com relação à indústria automotiva, houve uma alta de 1,3% na produção de veículos em novembro em relação a outubro, mas essa evolução não chegou a ser vista como auspiciosa, pois nem mesmo compensou a queda verificada no mês anterior (3,1%). Em relação a novembro de 2014, a produção do setor automotivo acumula um recuo de 35,3%, atingindo toda a linha.

O setor de bens de capital, que retrata como nenhum outro a crise da indústria, teve queda um pouco menor (31,2%) em novembro em relação ao mesmo mês de 2014. No acumulado do ano, a queda é de 24,1%.

Dos 24 setores industriais analisados, só 10 tiveram crescimento em novembro em comparação com outubro, como metalurgia (1,4%) e bebidas (também 1,4%). São taxas minúsculas, mas ainda assim, como previnem os analistas, o crescimento se verificou porque a base de comparação é muito baixa.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX