1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Indústria puxa queda no consumo de energia elétrica em novembro

- Atualizado: 05 Janeiro 2016 | 08h 27

Queda geral do consumo foi de 4,4%; resultado foi puxado pela retração de 8,9% na demanda do setor industrial

RIO - O consumo de energia no País caiu 4,4% em novembro, registrando a maior queda mensal em 2015 e refletindo a desaceleração econômica e o efeito do forte reajuste tarifário ao longo do ano passado. O segmento que registrou a maior queda foi a indústria, com recuo de 8,9% em novembro, frente o mesmo mês do ano anterior, conforme balanço divulgado ontem pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Todos os dez segmentos industriais registraram queda no consumo pela primeira vez no ano, sinalizando a extensão da crise econômica sobre a produção do setor.

 
 

Na indústria, as principais quedas foram observadas nas regiões Sudeste (-10%) e Nordeste (-12,9%), com destaque para o segmento de extração de minerais metálicos. No Espírito Santo, a atividade reduziu o consumo de energia em mais de 40% em novembro. Em Minas Gerais, a redução ficou em 0,7%. De acordo com a EPE, a queda deve-se principalmente ao desastre ambiental de Mariana, com o rompimento da barragem da mineradora Samarco, uma parceria entre a Vale e a BHP.

A empresa que acompanha o consumo de energia no País também destacou que a queda no setor extrativista está relacionada ao “mercado interno enfraquecido, principalmente dos principais demandantes de aço do País, que incluem a indústria automobilística, de bens de capital, eletrodomésticos e construção civil”.

Os demais segmentos também registraram recordes negativos de consumo. Na categoria residencial, houve queda de 2,2% – o maior recuo para o mês nos últimos 12 anos. No consumo comercial, a retração chegou a 2,6%, a pior retração do ano.

Ao todo, o consumo de energia no País totalizou 39.128 GWh em novembro, segundo a EPE. Considerado o consumo total de energia, as principais regiões em queda foram o Sul, com 11,1%, e o Sudeste, com retração de 2,4% no consumo de energia. Na contramão, as regiões Norte (8,4%), Nordeste (0,9%) e Centro-Oeste (0,6%) registraram alta no consumo.

Residências. A queda no consumo de energia doméstica foi a sétima consecutiva registrada no ano passado. O resultado foi puxado, sobretudo, pelas regiões Sudeste e Sul, com tiveram retrações de demanda de 4,8% e 9,4%, respectivamente. No Nordeste, o consumo cresceu 0,7% em novembro. Já as regiões Norte (17%) e Centro Oeste (4,5%) também registraram altas, devido às altas temperaturas no período e também por causa da expansão da base de consumidores.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX