1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Investimento em infraestrutura deve ter em 2016 o 2º ano seguido de paralisia

- Atualizado: 01 Janeiro 2016 | 05h 01

Falta de recursos nos cofres da União, causada principalmente pela forte retração da economia que deve derrubar o PIB de novo como em 2015, leva setor a prever adiamento de novas obras; 300 mil postos de trabalho já foram fechados

BRASÍLIA - O cenário está dado. Para o setor de infraestrutura, 2016 deverá ser um ano tão ou mais complicado que 2015. Na avaliação dos especialistas, o estrangulamento dos cofres públicos continuará a travar os investimentos sobre as grandes obras, o que só tende a agravar o cenário, porque adia a conclusão dos projetos e, consequentemente, aumenta os custos dos projetos.

“Os indicadores apontam que o primeiro trimestre de 2016 poderá ser o pior da história da República. A maioria das empresas que deu férias coletivas neste fim de ano não vai conseguir fazer com que seus funcionários voltem ao trabalho em março”, avalia Adriano Pires, presidente do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie). “O País poderá encolher 6,5% no biênio 2015/2016, pressionando a inadimplência, o endividamento e o desemprego. É o pior resultado desde 1931.”

Dnit volta a atrasar pagamentos e espera para receber já chega a 150 dias, diz entidade que representa a indústria da construção 

Dnit volta a atrasar pagamentos e espera para receber já chega a 150 dias, diz entidade que representa a indústria da construção 

Para o secretário-geral da organização Contas Abertas, Gil Castello Branco, os desdobramentos da Operação Lava Jato, que levaram à prisão dos presidentes e diretores das maiores empreiteiras do País, complicaram a situação do setor de infraestrutura, mas não podem ser entendidos como a causa central do problema.

“Atribuir à Lava Jato esse cenário é algo absolutamente falso. As empresas continuam recebendo, sem nenhuma restrição. Elas não estão impedidas de receber recursos públicos, nem foram consideradas inidôneas até hoje. Todas podem seguir nos contratos e até celebrar aditivos, só que não conseguem porque o País parou. O que estamos vendo é retração econômica pura”, avalia Gil.

Calotes. Uma das evidências dessa situação são os calotes do governo, que em 2015 voltaram a ser frequentes, depois de anos sem que se ouvisse falar sobre atraso de pagamentos pelo poder público. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), segundo José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), chega a acumular atrasos em pagamentos de até 150 dias: “São cinco meses sem receber, tendo que suportar todos os compromissos que uma empresa tem. Como é que alguém sobrevive a isso? É impossível”.

Em 2015, segundo a Cbic, o setor da construção civil deve fechar um total de 500 mil postos de trabalho. As estimativas da Cbic apontam que cerca de 300 empresas ligadas à construção pesada foram obrigadas a entrar em processo de recuperação judicial em 2015.

 

  • Tags:
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX