1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Investimento fraco e comércio levam Alemanha a contrair no 2º tri

REUTERS

01 Setembro 2014 | 08h 49

Gastos fracos em investimentos e comércio lento levaram a economia da Alemanha a contrair pela primeira vez em mais de um ano no segundo trimestre, sugerindo que a maior economia da Europa está perdendo fôlego ao mesmo tempo em que o impacto da crise na Ucrânia começa a pesar.

A Agência Federal de Estatísticas da Alemanha confirmou nesta segunda-feira dado preliminar de contração de 0,2 por cento em dados ajustados sazonalmente do Produto Interno Bruto (PIB) no trimestre entre abril e junho.

O desempenho decepcionante de uma economia antes considerada o último baluarte de crescimento na combalida zona do euro ecoou os desempenhos da segunda e terceira maiores economias: a França, que estagnou; e a Itália, que voltou à recessão durante o mesmo período.

"A contração no segundo trimestre foi uma reação ao forte desempenho do primeiro trimestre, então acredito que voltaremos a crescer moderadamente no terceiro (trimestre)... mas não falta incerteza neste momento", disse o economista do Postbank Thilo Heidrich, referindo-se ao impasse entre Moscou e o Ocidente sobre a Ucrânia e à crise no Iraque.

O investimento bruto em capital recuou 2,3 por cento e o investimento em construção caiu 4,2 por cento, em parte devido ao inverno ameno, que impulsionou a atividade de construção no primeiro trimestre.

Para Heldrich, a queda de 0,4 por cento nos gastos em fábricas e equipamentos pode ter sido causada em parte pela crise na Ucrânia e pelas sanções contra a Rússia.

O comércio exterior, tradicionalmente o motor do crescimento econômico alemão, subtraiu 0,2 ponto percentual do crescimento enquanto o consumo privado e os estoques tiveram contribuição positiva.

"A economia doméstica será responsável pelo crescimento neste ano e é possível que as exportações sofram um pouco mais devido à crise ucraniana e a sanções comerciais", disse Heidrich.

O Ministério das Finanças culpou parcialmente a crise ucraniana e as sanções contra a Rússia pela contração no segundo trimestre.

O ministro da Economia, Sigmar Gabriel, já disse que o PIB provavelmente crescerá no restante de 2014.

Alguns economistas, no entanto, esperam que a fraqueza no segundo trimestre continue no terceiro, com o instituto Ifo estimando que o crescimento será "próximo de zero" no terceiro trimestre, enquanto o instituto DIW fez um alerta sobre o perigo de recessão.

(Reportagem de Michelle Martin)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo