IPCA-15 de setembro fica em 0,16% ante 0,28% em agosto

A inflação medida pelo IPCA-15 ficou em 0,16% em setembro ante 0,28% em agosto, segundo divulgou hoje o IBGE. O número veio dentro das estimativas de analistas consultados pela Agência Estado, que previam algo entre 0,09% e 0,21%, e um pouco acima da média (0,15%). A queda de um mês para o outro ocorreu especialmente por causa da desaceleração dos reajustes do telefone fixo (3,39% em agosto para 0,13% em setembro) e dos combustíveis (a gasolina passou de 1,14% em agosto para -0,19% em setembro, e o álcool de 4,22% para -0,66%). O IBGE explica no documento de divulgação da taxa que a gasolina apresentou queda porque o reajuste nas refinarias em 10 de setembro não teve reflexo efetivo sobre os preços praticados nos postos até o dia 12 de setembro, quando foi finalizada a coleta do IPCA-15. Os alimentos passaram de uma variação de -0,67% em agosto para -0,60% em setembro e os artigos de vestuário ampliaram a queda de -0,06% para -0,10%. Entre as pressões de alta em setembro destacaram-se os salários dos empregados domésticos (1,82%), planos de saúde (0,96%), automóveis usados (1,13%), condomínio (1,20%) e passagens aéreas (6,85%). No ano, o IPCA-15 acumulou até setembro alta de 4,08% e em 12 meses, de 5,95%. O IPCA-E, que consiste no IPCA-15 acumulado no trimestre, ficou em 0,55%.

Agencia Estado,

22 Setembro 2005 | 09h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.