1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

IPCA desacelera e aumenta aposta de corte nos juros

- Atualizado: 09 Março 2016 | 22h 15

Alguns analistas passaram até a considerar a possibilidade de a inflação ficar abaixo do teto da meta, de 6,5%, em 2016

Previsões são de que o IPCA termine o ano em 7,59%
Previsões são de que o IPCA termine o ano em 7,59%
 RIO - A desaceleração da inflação oficial no País - o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,90% em fevereiro - surpreendeu até os economistas mais otimistas e já provocou mudanças nas análises para o ano. Aumentaram as apostas de que o Banco Central pode cortar a taxa de juros ainda este ano.

Alguns analistas passaram ainda a considerar mais factível até mesmo a possibilidade de a inflação ficar abaixo do teto da meta, de 6,5%, este ano. As previsões do Boletim Focus, elaborado pelo BC, são de que o IPCA termine o ano em 7,59%.

O diretor do Departamento de Pesquisas Macroeconômicas do Bradesco, Octavio de Barros, usou sua conta no Twitter para dizer que “tornou-se imensa a chance de o Bacen (Banco Central) cumprir a meta (de inflação) em 2016 (abaixo do teto de 6,5%) e chegar ao centro de 4,5% em 2017”. 

Procurado pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, Barros explicou que sua previsão anterior contemplava redução de 5% no preço da gasolina este ano, mas que agora esse corte pode ser maior. “Com os termos de troca melhorando e o dólar no mundo não se apreciando mais, a gasolina pode cair um pouco mais.” O Bradesco prevê que a Selic terminará este ano a 13,25%, do patamar atual de 14,25%.

Para Solange Srour Chachamovitz, economista-chefe da ARX Investimentos, o alívio nos preços deu força à previsão feita pelo BC de desinflação de dois pontos porcentuais no primeiro semestre. “A inflação corrente está desacelerando mais do que as expectativas”, disse.

Juros. Com a divulgação dos números do IPCA, os juros futuros fecharam em forte queda, passando a projetar uma chance de até 20% de corte da taxa básica de juros já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), hipótese, no entanto, considerada ainda remota pelos analistas. 

Para o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno, na verdade, qualquer corte na taxa de juros este ano poderia ser ruim. “Se o Banco Central cortar a Selic este ano, a inflação não volta para a banda de tolerância em 2017”, disse. Ele prevê inflação de 7,5% este ano.

O próprio IBGE lembra que o resultado do IPCA em fevereiro não deve ser exatamente motivo de comemoração, já que a taxa de inflação em 12 meses permanece acima dos 10% na maioria das regiões pesquisadas (fechou em 10,36%), segundo ressaltou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE. “Aliviou a aceleração (na inflação). Não aliviou o custo de vida, que continua subindo”, disse. / COLABORARAM ÁLVARO CAMPOS, MARIA REGINA SILVA, FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, RICARDO LEOPOLDO E RENATA PEDINI

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX