1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Previsão do mercado para a inflação em 2016 tem a 7ª alta seguida e chega a 7,61%

- Atualizado: 15 Fevereiro 2016 | 09h 55

IPCA distancia-se cada vez mais do teto da meta para este ano, de 6,50%; estimativas para a economia também pioraram e analistas já projetam queda de 3,33% do PIB em 2016  

O Relatório de Mercado Focus trouxe ainda um reflexo da surpresa com o IPCA de janeiro, acima do teto das estimativas. No documento divulgado nesta segunda-feira, 15, pelo Banco Central (BC), a mediana das previsões para a inflação de 2016 subiu pela sétima vez consecutiva, de 7,56% para 7,61%. Com isso, distancia-se ainda mais do teto da meta deste ano, de 6,50%.

Quatro semanas atrás, estava em 7,00%. Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do índice no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das expectativas manteve-se em 8,13% de uma semana para outra - um mês antes, estava em 7,54%.

No caso de 2017, a mediana ficou congelada em 6,00% de um levantamento para o outro - quatro edições atrás estava em 5,40%. A previsão do mercado segue, portanto, exatamente no teto de 6,00% da meta do ano que vem. Essa barreira, no entanto, já foi ultrapassada em muito pelo grupo Top 5 de médio prazo. Desta vez, porém, não houve ajuste e a taxa seguiu em 6,40%. Um mês antes, essas instituições apontavam para um IPCA de 5,50%.

Em janeiro, inflação dos alimentos teve maior alta para o mês desde o início do Real

Em janeiro, inflação dos alimentos teve maior alta para o mês desde o início do Real

De acordo com o último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em dezembro, o BC projeta que a inflação encerre este ano em 6,2% no cenário de referência e em 6,3% pelo de mercado. Para 2017, a estimativa da autoridade monetária está em 4,8% pelo cenário de referência e de 4,9% pelo de mercado. Na ata mais recente do Comitê de Política Monetária (Copom), a instituição informou que houve aumento desses porcentuais nos dois casos em ambos cenários.

A piora das previsões para a inflação deste ano foi acentuada depois de o IPCA de janeiro vir mais salgado, mas teve início após uma semana tumultuada para a política monetária. No primeiro dia do primeiro Copom deste ano, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, fez um comentário surpresa sobre as novas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste e do próximo ano. A ação seguinte do colegiado foi a manutenção dos juros básicos da economia em 14,25% ao ano.

Até o comentário de Tombini, a expectativa maciça do mercado financeiro era de alta de 0,50 ponto porcentual da Selic. O Copom foi dividido por seis votos de manutenção contra dois de alta imediata dos juros para 14,75% ao ano.

Vilões da inflação de 2015, os preços administrados foram colocados agora de lado pelo mercado financeiro. No ano passado, esse conjunto de itens subiu 18,07%, mas a expectativa de que terão alta de 7,70% em 2016 foi mantida no Relatório de Mercado Focus. Quatro semanas atrás, a mediana estava em 7,55%.

Tombo do PIB. O Produto Interno Bruto (PIB) deste ano deve ter retração de 3,33%, aponta o Focus desta segunda-feira. Na edição anterior do documento, a estimativa era de baixa de 3,21% e na de quatro semanas atrás, de recuo de 2,99%. Para 2017, a expectativa de recuperação se deteriorou mais um pouco, com a mediana das estimativas saindo de uma alta de 0,60% para 0,59%. O ajuste desta vez, o quarto consecutivo, foi pequeno, mas um mês atrás, a projeção era de crescimento de 1,00% da atividade.

A produção industrial segue como principal setor responsável pelas previsões para o PIB em 2016 e 2017. No boletim Focus, a mediana das estimativas do mercado para o setor manufatureiro revela uma expectativa de baixa de 4,20% para este ano ante -4,00% prevista na semana passada. Na pesquisa realizada quatro semanas atrás, a mediana das estimativas estava em -3,47%. Para 2017, mantiveram-se pela terceira vez seguida as apostas de expansão de 1,50% para a indústria. Quatro semanas antes, estava em 1,80%.

Com incertezas vindas do quadro internacional, os economistas brasileiros também mexeram em suas previsões para o câmbio do fim deste ano. O documento aponta para uma cotação de R$ 4,38 no lugar da estimativa de R$ 4,35 vista na semana passada - um mês antes, estava em R$ 4,25. Apesar disso, o câmbio médio de 2016 ficou inalterado em R$ 4,20 de uma semana para outra - um mês antes, estava em R$ 4,14.

Juro estável. Pela segunda semana consecutiva, os analistas mantiveram as estimativas para a Selic em 2016. Desta vez, no entanto, corrigiram para cima as projeções para o ano que vem. De acordo com o levantamento, a taxa básica de juros permanecerá nos atuais 14,25% ao ano até o encerramento de 2016, como já constava na edição anterior do documento. Um mês antes, a aposta era de taxa de juros a 15,25% no encerramento do ano.

Para 2017, a mediana das previsões das instituições participantes voltou do patamar de 12,50% ao ano para 12,75% de uma semana para a outra - quatro levantamentos atrás estava em 12,88%. 

Essas novas previsões mostram que o mercado ainda está sem direção ao tentar entender os acontecimentos que antecederam a reunião do Copom. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, a previsão para a Selic no fim de 2016 manteve-se em 14,00% ao ano - um mês atrás, estava em 15,38% aa. Para o encerramento de 2017, esses mesmos analistas mantiveram a expectativa de taxa a 12,25% ao ano ante mediana de 13,00% de um mês antes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX