1. Usuário
Assine o Estadão
assine


IPCA pode chegar a 6,10%, avalia economista

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS - Agencia Estado

13 Janeiro 2014 | 12h 57

Por falta de tempo dos analistas para revisarem e inserirem suas projeções no site do Banco Central (BC), o Boletim Focus praticamente manteve o cenário macroeconômico para 2014, observa o economista-chefe do Banco ABC Brasil, Luís Otávio de Souza Leal.

No levantamento desta segunda-feira, 13, a mediana das estimativas para o indicador em 2014 passou de 5,97% da semana passada para 6%. Já na próxima edição da pesquisa, segundo o economista, a mediana das expectativas dos analistas do mercado em relação ao IPCA de 2014 poderá subir para algo em torno de 6,10%

Não fosse a falta de tempo, o Focus divulgado hoje pelo BC certamente teria incorporado a surpresa inflacionária de 2013. Segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última sexta-feira, 10, a inflação no ano passado ficou em 5,91%. Superou a marca de 5,84% registrada em 2012 e frustrou o esforço empreendido pela equipe econômica do governo para entregar uma inflação abaixo da apurada em 2012.

"Nem mesmo a inflação para janeiro, que todo mundo já está revisando, foi alterada na Focus", disse Souza Leal.

De acordo com ele, apesar da demora do mercado para revisar e enviar ao BC suas projeções, o cenário para 2014 já contemplava uma inflação mais salgada mesmo antes da divulgação do IPCA cheio de 2013. "O mercado já estava mais pessimista com a inflação deste ano", reiterou.

Contudo, de acordo com Souza Leal, aumentou um pouco a possibilidade de o Copom elevar a taxa básica de juros em 0,50 ponto porcentual este mês. A reunião acontece nas terça, 14, e quarta-feira. 15, desta semana. "Diria que o plano de voo dele (BC) era de reduzir o ritmo de elevação da Selic. Agora pode mudar", pondera o economista do ABC Brasil, que elevou a sua previsão de 0,25 ponto porcentual para 0,50 ponto porcentual.