Assine o Estadão
assine

Economia

Itaú Unibanco tem lucro líquido de R$ 23,4 bilhões em 2015, alta de 15,4% ante 2014

Total do 4º tri ficou em R$ 5,7 bi, elevação de 3,22% em relação ao mesmo período de 2014; para 2016, previsões estão cautelosas

0

Aline Bronzati,
O Estado de S. Paulo

02 Fevereiro 2016 | 07h47
Atualizado 02 Fevereiro 2016 | 09h05

SÃO PAULO - O Itaú Unibanco reportou lucro líquido de R$ 23,4 bilhões no ano de 2015, uma alta de 15,4% em relação a 2014, quando o valor total ficou em R$ 20,2 bilhões. No quarto trimestre, a cifra ficou em R$ 5,7 bilhões, elevação de 3,22% ante o mesmo período de 2014. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, quando a cifra somou R$ 5,945 bilhões, foi identificada retração de 4,15%.

No quarto trimestre de 2015, os destaques foram, conforme explica o Itaú em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, os crescimentos de 1,1% da margem financeira com clientes, de 7,9% das receitas de prestação de serviços e de 35,4% da recuperação de créditos baixados como prejuízo. "Houve também redução de 44,2% da margem financeira com o mercado e aumentos de 6,4% das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDDs) e de 1,9% das despesas não decorrentes de juros", acrescenta o banco, no documento.

A carteira de crédito total do Itaú Unibanco, que inclui avais, fianças e títulos privados, fechou dezembro em R$ 585,504 bilhões, declínio de 0,9% na comparação com a cifra de setembro, de R$ 590,674 bilhões. Em um ano, quando estava em R$ 559,694 bilhões, os empréstimos cresceram de 4,6%. Se calculada com base na conversão da carteira em moeda estrangeira (dólar e moedas dos países da América Latina), foi vista estabilidade e queda de 2,9%, nesta ordem.

Para 2016, as projeções do banco estão mais cautelosas. Para o crédito, o banco admitiu, considerando Brasil, encolhimento de até 1,0% na carteira total, que inclui avais, fianças e títulos privados, neste ano em relação a 2015. No melhor cenário, pode crescer 3,0%. Para a margem financeira com clientes, o Itaú projeta incremento de 1,0% a 4,0% neste ano. As despesas com provisões para devedores duvidosos devem totalizar entre R$ 21 bilhões e R$ 24 bilhões neste ano. 

O Itaú Unibanco fechou dezembro com R$ 1,359 trilhão em ativos totais, montante 12,4% superior ao registrado em 12 meses, de R$ 1,209 trilhão. Na comparação com setembro, quando estavam em R$ 1,323 trilhão, o crescimento ficou em 2,8%.

O patrimônio líquido do banco chegou a R$ 106,462 bilhões no quarto trimestre, aumento de 11,1% em 12 meses e 3,0% ante os três meses anteriores. O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) foi a 22,0% no quarto trimestre contra 23,3% no terceiro. Em um ano, estava em 24,0%. No ano de 2015. Fechou estável em 23,5%.

Resultado recorrente. O Itaú anunciou também lucro líquido recorrente de R$ 5,773 bilhões no quarto trimestre, aumento de 2,0% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 5,660 bilhões. Na comparação com os três meses anteriores, quando o resultado foi de R$ 6,117 bilhões, foi registrada retração de 5,6%.

Dentre os eventos não recorrentes no quarto trimestre ante um ano, o Itaú cita, em relatório que acompanha suas demonstrações contábeis, provisão para contingências, amortização de ágio e outros.

Em 2015, o lucro líquido recorrente do banco totalizou R$ 23,832 bilhões, incremento de 15,6% em relação a 2014, quando ficou em R$ 20,619 bilhões. A diferença se deve, conforme destaca o Itaú, pela majoração da alíquota da contribuição social (CSLL) no valor de R$ 3,988 bilhões, R$ 2,793 bilhões em PDDs, provisão para contingências e outros.

O retorno (ROE) recorrente do Itaú ficou em 22,3% ao final de dezembro contra 24,0% ao término de setembro. Em um ano, estava em 24,7%. No exercício fechado de 2015, a rentabilidade recuou 0,1 ponto porcentual, para 23,9%. 

Comentários