1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Itaú Unibanco tem lucro líquido de R$ 23,4 bilhões em 2015, alta de 15,4% ante 2014

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 09h 05

Total do 4º tri ficou em R$ 5,7 bi, elevação de 3,22% em relação ao mesmo período de 2014; para 2016, previsões estão cautelosas

Lucro líquido do Itaú ficou em R$ 5,7 bilhões no quarto trimestre

Lucro líquido do Itaú ficou em R$ 5,7 bilhões no quarto trimestre

SÃO PAULO - O Itaú Unibanco reportou lucro líquido de R$ 23,4 bilhões no ano de 2015, uma alta de 15,4% em relação a 2014, quando o valor total ficou em R$ 20,2 bilhões. No quarto trimestre, a cifra ficou em R$ 5,7 bilhões, elevação de 3,22% ante o mesmo período de 2014. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, quando a cifra somou R$ 5,945 bilhões, foi identificada retração de 4,15%.

No quarto trimestre de 2015, os destaques foram, conforme explica o Itaú em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, os crescimentos de 1,1% da margem financeira com clientes, de 7,9% das receitas de prestação de serviços e de 35,4% da recuperação de créditos baixados como prejuízo. "Houve também redução de 44,2% da margem financeira com o mercado e aumentos de 6,4% das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa (PDDs) e de 1,9% das despesas não decorrentes de juros", acrescenta o banco, no documento.

A carteira de crédito total do Itaú Unibanco, que inclui avais, fianças e títulos privados, fechou dezembro em R$ 585,504 bilhões, declínio de 0,9% na comparação com a cifra de setembro, de R$ 590,674 bilhões. Em um ano, quando estava em R$ 559,694 bilhões, os empréstimos cresceram de 4,6%. Se calculada com base na conversão da carteira em moeda estrangeira (dólar e moedas dos países da América Latina), foi vista estabilidade e queda de 2,9%, nesta ordem.

Para 2016, as projeções do banco estão mais cautelosas. Para o crédito, o banco admitiu, considerando Brasil, encolhimento de até 1,0% na carteira total, que inclui avais, fianças e títulos privados, neste ano em relação a 2015. No melhor cenário, pode crescer 3,0%. Para a margem financeira com clientes, o Itaú projeta incremento de 1,0% a 4,0% neste ano. As despesas com provisões para devedores duvidosos devem totalizar entre R$ 21 bilhões e R$ 24 bilhões neste ano. 

O Itaú Unibanco fechou dezembro com R$ 1,359 trilhão em ativos totais, montante 12,4% superior ao registrado em 12 meses, de R$ 1,209 trilhão. Na comparação com setembro, quando estavam em R$ 1,323 trilhão, o crescimento ficou em 2,8%.

O patrimônio líquido do banco chegou a R$ 106,462 bilhões no quarto trimestre, aumento de 11,1% em 12 meses e 3,0% ante os três meses anteriores. O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) foi a 22,0% no quarto trimestre contra 23,3% no terceiro. Em um ano, estava em 24,0%. No ano de 2015. Fechou estável em 23,5%.

Resultado recorrente. O Itaú anunciou também lucro líquido recorrente de R$ 5,773 bilhões no quarto trimestre, aumento de 2,0% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 5,660 bilhões. Na comparação com os três meses anteriores, quando o resultado foi de R$ 6,117 bilhões, foi registrada retração de 5,6%.

Dentre os eventos não recorrentes no quarto trimestre ante um ano, o Itaú cita, em relatório que acompanha suas demonstrações contábeis, provisão para contingências, amortização de ágio e outros.

Em 2015, o lucro líquido recorrente do banco totalizou R$ 23,832 bilhões, incremento de 15,6% em relação a 2014, quando ficou em R$ 20,619 bilhões. A diferença se deve, conforme destaca o Itaú, pela majoração da alíquota da contribuição social (CSLL) no valor de R$ 3,988 bilhões, R$ 2,793 bilhões em PDDs, provisão para contingências e outros.

O retorno (ROE) recorrente do Itaú ficou em 22,3% ao final de dezembro contra 24,0% ao término de setembro. Em um ano, estava em 24,7%. No exercício fechado de 2015, a rentabilidade recuou 0,1 ponto porcentual, para 23,9%. 

  • Tags:
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX