Paulo Whitaker/Estadão
Paulo Whitaker/Estadão

JBS fecha acordos para preservar linhas de crédito com instituições financeiras

Negociações envolvem um grupo de bancos públicos e privados, brasileiros e estrangeiros, que tem como premissas a estabilização de cerca de R$ 20,5 bilhões do endividamento da companhia

Fátima Laranjeira, O Estado de S.Paulo

25 Julho 2017 | 19h29

A JBS celebrou, juntamente com suas controladas operacionais no Brasil e da sua divisão global de couros (JBS Brasil), acordos de preservação de linhas de crédito com instituições financeiras que representam 93% do montante principal das dívidas contraídas pela JBS Brasil com instituições financeiras no Brasil e no exterior.

"As condições dos acordos assegurarão a liquidez financeira e a normalidade das operações da JBS, pois permitem a estabilização do endividamento de curto prazo e a preservação dos contratos bancários em suas condições originais, necessária à adequação do perfil financeiro da JBS", diz a empresa, em fato relevante.

O acordo envolve um grupo de instituições financeiras públicas e privadas, brasileiras e estrangeiras, que tem como premissas a estabilização de cerca de R$ 20,5 bilhões do endividamento da JBS Brasil, por um período de 12 meses.

++ Rolagem de dívidas da JBS com bancos soma R$ 17 bi

Segundo a empresa, durante este período de estabilização, a JBS Brasil efetuará o pagamento integral dos juros incorridos conforme os contratos originais, bem como o pagamento de quatro parcelas de 2,5% do montante principal do endividamento em questão sendo o primeiro no início do acordo e os demais em 90, 180 e 270 dias.

"Na ocorrência de determinados eventos de liquidez, tais como a venda de participações societárias, com exceção da alienação das operações de carne bovina na Argentina, Paraguai e Uruguai anunciada ao mercado em 6 de junho de 2017, a JBS Brasil amortizará extraordinariamente a dívida sujeita ao acordo em montante equivalente a 80% dos recursos líquidos derivados de tais eventos de liquidez", afirma a empresa.

Itaú Unibanco. Simultaneamente, a JBS Brasil também celebrou um acordo que prevê a renegociação das dívidas, no valor aproximado de R$ 1,2 bilhão com o Grupo Itaú Unibanco, de forma que 40% do saldo devedor total serão pagos tal como originalmente contratados, renovando-se o prazo de pagamento dos 60% remanescentes, nas condições originais, para 12 meses a contar dos respectivos vencimentos.

Os acordos foram aprovados por unanimidade pelo Conselho de Administração da companhia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.