Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » JBS inicia ano com altas de preços e cautela sobre mercado brasileiro

Economia & Negócios

Reuters

Economia

Batista

JBS inicia ano com altas de preços e cautela sobre mercado brasileiro

Depois de ver a receita cair nos EUA em 2015, grupo prevê melhora dos resultados no mercado americano neste ano

0

Gustavo Porto,
O Estado de S.Paulo

18 Março 2016 | 09h07

O presidente global da JBS, Wesley Batista afirmou ontem, durante teleconferência sobre os resultados da empresa no quarto trimestre de 2015, que a companhia fez repasses de custos aos preços no início deste ano. “Há uma pressão de custo advinda de grãos. (O setor) iniciou o repasse no começo deste ano. É a necessidade da indústria”, frisou.

O JBS teve prejuízo líquido de R$ 275,1 milhões de outubro a dezembro, revertendo lucro de R$ 618,8 milhões do mesmo período de 2014. Em 2015, os ganhos somaram R$ 4,64 bilhões, alta de 127,9% em relação aos R$ 2,03 bilhões de 2014.

O executivo afirmou que, para 2016, a empresa deverá ser afetada pela crise no mercado brasileiro. “No ano passado houve uma queda brutal das exportações e mercado interno estável”, lembrou Batista. “Neste ano, o mercado externo está melhor e há uma pressão do mercado interno, devido a tudo o que temos visto no País.”

Em relação à marca de varejo Seara, o diretor global de operações do grupo, Gilberto Tomazoni, citou o aumento de 62% na distribuição de produtos da empresa em 2015, com 29 mil clientes novos. Ele disse esperar um novo crescimento das vendas em 2016. Alertou, no entanto, que há necessidade de novos repasses de custos para o varejo, o que poderá afetar a demanda pelas mercadorias.

Em relação à redução de margens e receitas que a empresa apresentou nos Estados Unidos em 2015, o diretor de relações com investidores do JBS, Jerry O’Callaghan, atribuiu as dificuldades à queda dos preços dos produtos, principalmente de suínos e frangos. Batista também citou o cenário negativo de oferta de bovinos nos Estados Unidos, com a diminuição do rebanho, por conta de retenção de fêmeas.

Avanço nos EUA. Para 2016, as perspectivas são melhores para o mercado americano. “Vamos ter dias melhores na unidade de bovinos nos EUA, colher frutos no segundo semestre deste ano”, disse ele, citando um aumento de oferta de 3,5 milhões de cabeças nos Estados Unidos e estimativa de aumento de 2% a 3% na produção americana da companhia.

Batista disse ainda que, em 2016, a empresa colherá resultados de aquisições como Tyson Foods, Moy Park e Big Frango, que ainda não foram percebidas no balanço do grupo. 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.