1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lei das Estatais: resolverá o problema?

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 16h 39

O Projeto de Lei do Senado 555, chamado de Lei de Responsabilidade das Estatais, tem como um dos seus objetivos reverter a escalada de corrupção em empresas controladas pelo Estado e criar amarras para que os governantes não usem as estatais para fins políticos e populistas. Os danos ao caixa da Petrobrás, por exemplo, vieram não apenas dos casos de corrupção revelados pela Lava Jato, mas também, e com maior magnitude, por decisões equivocadas impostas pelo governo, como o congelamento dos preços da gasolina.

Poderá o projeto de lei resolver esses problemas? Ele traz, de fato, inovações interessantes. São estabelecidos critérios mais rigorosos para o apontamento de dirigentes e membros do conselho das estatais. A vedação ao apontamento de políticos, ministros e secretários aos conselhos é particularmente bem-vinda. Ao forçar uma estatal a reduzir preços ou investir em projetos pouco lucrativos, governantes e a sua coalizão tendem a pensar mais nos seus dividendos políticos do que no rombo que podem gerar às finanças da empresa. É impressionante como muitos, por ignorância ou má-fé, ignoram esse risco. Por exemplo, o ex-presidente da Petrobrás José Sergio Gabrielli justificou o aparelhamento da Petrobrás dizendo que “os partidos participam da gestão do Estado. Isso é parte da prática democrática. Isso é parte da democracia”. Nós bem sabemos o que virou essa “prática democrática”.

Chega a ser óbvio que a estatal tem de seguir o melhor interesse do Estado, e não de um governo em particular. Há, nesse sentido, uma proposta de obrigar as estatais a deixarem mais claro no seu estatuto qual é o seu objetivo social. A princípio, para evitar que governos voluntaristas inventem novos direcionamentos ao seu bel-prazer, as estatais não deveriam se desviar dos objetivos sociais que nortearam sua criação. Além disso, propõe a lei, desvios que impliquem custos financeiros à estatal deverão ser ressarcidos pelo governo. Nesta parte do texto, será preciso muito mais detalhamento e precisão sobre como e em quais condições haverá esse ressarcimento.

Um ponto controverso do projeto é a exigência de que todas as estatais se tornem sociedades anônimas. Críticos da proposta argumentam que isso é apenas um passo para posterior privatização. Vale lembrar, contudo, que uma sociedade anônima não precisa ser negociada em Bolsa nem ter investidores privados. Uma vantagem dessa exigência é simplesmente fazer com que as estatais se alinhem à Lei das Sociedades Anônimas, considerada de boa qualidade e com passagens que já versam sobre empresas de controle estatal.

Mas daí surge uma incoerência da proposta. Se há, corretamente, o desejo de se alinhar à Lei das Sociedades Anônimas, então o texto deveria ser muito mais enxuto, evitando sobreposições e passagens repetidas. A lei das estatais deveria ser, a princípio, muito simples e direta, com conteúdo mínimo que complemente o marco legal já existente. A criação de um marco sobreposto causará ainda mais insegurança jurídica. Além disso, a lei adiciona inúmeras provisões burocráticas, como, por exemplo, normas para compras e licitações em estatais. Aqui é importante atentar que muitas estatais são corporações competindo com empresas privadas no Brasil e no exterior. Ao impor mais controles às estatais, não podemos dar um tiro no pé ao reduzir a sua agilidade e competitividade. Uma sugestão é impor menos amarras para aquelas que se comprometam a seguir padrões superiores de governança (como o “Novo Mercado”), garantindo que os seus gestores e membros do conselho sejam amplamente responsabilizados caso desviem desses padrões. Afinal, já sabemos que o que não nos falta é excesso de regras e procedimentos. Uma lei mais pontual e direta, preenchendo lacunas da legislação vigente, evitará uma maior complexidade no regramento das estatais e permitirá que eventuais desvios sejam mais facilmente identificados e punidos de forma célere e exemplar.

Sergio Lazzarini é professor titular do Insper, é autor 'Capitalismo de Laços' e de 'Reinventando o Capitalismo de Estado'. Email: sergiogl1@insper.edu.br

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX