Estadão
Estadão

Leilão de energia elétrica tem deságio de 59%

No total, 39 projetos foram contratados e devem representar investimentos de R$ 5 bi; usinas eólicas tiveram o menor preço da disputa, de R$ 67 o MWh

Luciana Collet, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 16h50

O governo federal contratou nesta quarta-feira,  por meio de leilão, 39 empreendimentos de geração de energia elétrica, que vão gerar investimentos de R$ 5,27 bilhões no País. A licitação, realizada em São Paulo, teve deságio de 59% e foi comemorada pelo governo por causa do baixo preço conseguido em algumas fontes de energia, como as eólicas, negociadas a R$ 67,6 o megawatt hora (MWh).

"Estamos satisfeitos com o resultado", disse o diretor da agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Tiago de Barros Correia, durante coletiva de imprensa para comentar os resultados do certame, destacando o fato de que foi possível fechar a contratação de toda a demanda indicada pelas distribuidoras com um "desconto expressivo". A declaração foi ratificada pelo secretário Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Eduardo Azevedo.

Eles salientaram que os preços acertados – da ordem de R$ 67,6/MWh na média para projetos de energia eólica e de R$ 118,07/MWh para energia solar, com deságio de 73,5% e 62%, respectivamente – também são competitivos e expressivos no mercado internacional, considerando valores da ordem de US$ 20/MWh a US$ 35/Mwh.

+ Cemig reitera que está focada em vender participação na Light

Os executivos minimizaram um potencial impacto do cenário político tenso no certame, lembrando que o processo preparatório dos empreendedores para o leilão inicia-se com cinco a seis meses de antecedência, a partir de quando também são feitas a contas projetando os lances possíveis, enquanto a energia comercializada deve ser entregue daqui a quatro anos. Portanto, o cenário precisa considerar mudanças de governo e no cenário macroeconômico.

Energia solar. Apesar da energia eólica ter apresentado o menor preço, o destaque novamente ficou com as usinas solares, que somaram 29 empreendimentos de 228,5 MW médios – 64% do total leiloada de 356 MW médios. Nesse caso, o preço médio foi de R$ 118,07 o MWh. Também foram contratadas 4 hidrelétricas (R$ 198,18 o MWh); 2 usinas térmicas movidas a biomassa; e 4 eólicas (R$ 67,6). Todas devem entrar em operação a partir de 1º de janeiro de 2022.

 

 

Mais conteúdo sobre:
energia leilão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.