Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Levy cita 'Tufão', de Joseph Conrad, para explicar momento econômico

Segundo o ministro, economia brasileira conseguirá vencer a tormenta e encontrar o caminho do crescimento

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2015 | 12h06

SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, citou ontem o livro "Tufão", do escritor polonês Joseph Conrad (1857-1924) para explicar a tormenta pela qual passa a economia brasileira. O enredo do romance se desenrola dentro do navio Jukes, que em certo momento se vê absorvido pela força desestabilizadora de um tufão.

"Na verdade, o furacão atingira o navio com toda sua força, devastando o tombadilho; e os marinheiros aturdidos e desesperados refugiavam-se no corredor de bombordo sob a ponte de comando", diz o romancista. Mas o capitão, segundo o ministro Levy, conseguiu vencer a turbulência e conduzir a embarcação e todos que estavam a bordo a um porto seguro.

Assim, de acordo com o ministro, que participou ontem à noite de premiação "Melhores da Dinheiro" da Revista IstoÉ Dinheiro, deverá ser com a economia brasileira, que passa por uma tempestade, mas reencontrará o caminho do crescimento graças à medidas que estão sendo e continuarão sendo tomadas pelo governo.

Para Levy, alguns setores da economia já começam a responder de forma positiva às medidas que já foram tomadas, embora os resultados possam, ainda, não estar sendo vistos por todos. A convergência das expectativas de inflação para dentro da meta, é um exemplo, segundo ele.

O ministro, em mais uma analogia entre o furacão que se abateu sobre o Jukes e a tormenta que por hora assola a economia brasileira, voltou a dizer que parte considerável da atual crise econômica doméstica advém de variáveis não econômicas e que se não fossem elas, a economia brasileira estaria produzindo resultados bem melhores.

"Todo ajuste traz custos no curto prazo e benefícios de forma moderada", disse Levy para uma plateia de empresários e políticos. Ma ele assegurou estar certo de que o País  vai retomar o crescimento em breve, desde que as medidas pertinentes ao ajuste econômico e fiscal sejam aprovadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.