Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Levy deve assumir cargo de diretor financeiro do Banco Mundial em fevereiro

Economia & Negócios

Evaristo Sa/AFP

Levy deve assumir cargo de diretor financeiro do Banco Mundial em fevereiro

Entidade confirmou a ida do ex-ministro para um dos mais altos postos na hierarquia da casa

0

Altamiro Silva Junior, correspondente

11 Janeiro 2016 | 19h10

O Banco Mundial confirmou na tarde desta segunda-feira, 11, que o ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, será diretor financeiro (CFO, na sigla em inglês) da instituição. Ele deve assumir o cargo, um dos mais altos na hierarquia da casa, em 1 de fevereiro, de acordo com um comunicado divulgado nesta segunda-feira, 11.

"O comprometimento sem cansaço com reformas de Joaquim Levy, orientadas em direção ao crescimento sustentável e inclusivo, é um ativo significativo para o Banco Mundial na medida em que revisamos nossas finanças e nos adaptamos a um ambiente em rápida transformação", afirma o presidente da instituição, Jim Yong Kim, em um comunicado à imprensa.

O comunicado do Banco Mundial ressalta ainda a passagem de Levy, além do Ministério da Fazenda, por outras instituições, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Bradesco e o governo do Rio, onde foi secretário estadual das Finanças. 

"Levy tem uma rara mistura de experiência em finanças e mercados, uma forte perspectiva de país e um conhecimento interno do sistema multilateral, todos chaves para nosso sucesso", conclui o presidente do Banco Mundial no comunicado.

Levy assume o posto deixado pelo francês Bertrand Badré, que no começo de novembro comunicou que estava deixando o Banco Mundial.

Na sexta-feira, em um evento em Washington, o diretor do Brasil no FMI, Otaviano Canuto, mencionou a ida de Levy para o Banco Mundial durante palestra no Wilson Center e destacou que, por ser uma instituição bilateral, o ex-ministro, que deixou a Fazenda pouco antes do Natal, não vai precisar passar pela tradicional quarentena dos que saem de altos postos de governos.

No mesmo comunicado, o Banco Mundial informa a contratação de Shaolin Yang, que é chinês, como  chefe administrativo geral (CAO, em inglês), um cargo novo na instituição. "Os dois executivos vêm em um momento crítico em que a organização trabalha para acabar com a pobreza extrema e impulsionar a prosperidade compartilhada."

Comentários