Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do PSDB reage a Padilha: 'Quantos votos o PMDB vai dar à reforma da Previdência?'

Deputado Ricardo Tripoli disse não entender por que o governo e alguns partidos da base aliada estão 'tão preocupados' com o desembarque dos tucanos

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 21h26

BRASÍLIA - O líder do PSDB na Câmara, deputado Ricardo Tripoli (SP), disse nesta quarta-feira, 29, não entender por que o governo e alguns partidos da base aliada estão “tão preocupados” com o desembarque dos tucanos.

“Quantos votos o PMDB vai dar à reforma da Previdência?”, perguntou Tripoli, horas depois de o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmar que “o PSDB não está mais na base do governo”, mas, mesmo assim, cobrar apoio à reforma

“E o DEM, o PSD, o PP e o PR, quantos votos vão dar? Na hora de indicar para cargos, que eles tanto gostam, ninguém pensa em reforma. Por que agora estão todos tão preocupados com o PSDB?”, provocou Tripoli.

++Sem reforma da Previdência, imposto teria de subir 8,5%, diz Tesouro

Ao reagir às estocadas na direção do PSDB, o líder da bancada tucana disse que, em várias ocasiões, seu partido entregou mais votos ao governo do que o próprio PMDB. Na votação das duas denúncias apresentadas contra o presidente Michel Temer pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, porém, o PSDB rachou. 

“Quero dizer o seguinte: no dia em que fecharem questão (sobre a reforma da Previdência), me avisem que a gente fecha também”, afirmou Tripoli, em tom de ironia.

++'Nova' reforma da Previdência afetaria só 35% dos trabalhadores

Questionado nesta quarta se desejava que os partidos aliados aprovassem decisão obrigando seus deputados a votar favoravelmente à reforma da Previdência - prática conhecida como “fechamento de questão” -, Padilha foi econômico na resposta. 

“Não posso ter ilusões ingênuas”, disse o ministro da Casa Civil. “Vamos trabalhar pelo convencimento porque, se não fizermos a reforma, vai acontecer aqui o que aconteceu na Grécia”, completou ele.

LEIA TAMBÉM Economista critica diretrizes de novo programa tucano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.