1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine

Lucro da Petrobrás cai 29,9% no 1º trimestre e soma R$ 5,4 bilhões

Antonio Pita, Mariana Durão e André Magnabosco - O Estado de S. Paulo

09 Maio 2014 | 18h 06

Resultado da estatal foi pressionado pelo plano de demissão voluntária e pela defasagem no preço do combustível em relação ao mercado internacional  

Atualizado às 21h

RIO - A Petrobrás amargou queda de 29,9% no lucro no primeiro trimestre, que fechou em R$ 5,393 bilhões, segundo balanço divulgado nesta sexta-feira. O resultado da companhia foi pressionado, principalmente, pelo impacto negativo de R$ 1,9 bilhão do Plano de Incentivo à Demissão Voluntária (PIDV). Também pesaram fatores como uma leve queda na produção e o prejuízo decorrente da defasagem de preços de combustíveis, represados para evitar impacto sobre a inflação.

O balanço reforçou a grande dificuldade da empresa em controlar o seu endividamento. Nos três primeiros meses do ano a dívida subiu mais de R$ 40 bilhões, ultrapassando pela primeira vez a marca de R$ 300 bilhões. A taxa de alavancagem se manteve em 39% e ficou pelo terceiro trimestre consecutivo acima da meta estabelecida pela empresa, de 35%.

Apesar da queda no lucro, o resultado ficou acima das previsões do mercado, puxado pelo aumento das receitas no período, que ficaram em R$ 81,5 bilhões. O reajuste, em novembro, de 8% no preço do diesel e 4% da gasolina, aliviou as contas da companhia, mas não foi suficiente para evitar um prejuízo de R$ 4,808 bilhões na área de abastecimento.

Com o consumo em expansão e as refinarias no limite da capacidade, a Petrobrás tem de importar mais combustível e sofre sem a compensação nos preços da gasolina e do diesel. "Isso reflete a defasagem dos preços dos combustíveis ao longo do tempo, apesar do reajuste do fim do ano passado. É um desafio", resume Nataniel Cezimbra, analista do BB Investimento.

Dívida. A defasagem do preço dos combustíveis no mercado interno também amplia o endividamento, e o elevado nível de alavancagem da Petrobrás preocupa. A relação entre a dívida e o Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), alcançou a marca de 4 vezes. A média considerada saudável pela própria empresa é de 2,5 vezes o Ebitda - meta que só será alcançada a partir de 2015, de acordo com seu último plano de negócios.

Em comunicado ao mercado, a presidente da Petrobrás, Graça Foster, credita a piora do indicador aos gastos com o plano de 8 mil demissões. "O cálculo deste indicador de endividamento considera o Ebitda anualizado, trazendo, assim, um impacto expressivo neste trimestre", destacou a executiva.

Segundo ela, em cerca de nove meses os impactos do plano serão diluídos. O plano de demissões voluntárias integra o Programa de Otimização de Custos Operacionais, que no trimestre economizou R$ 2,4 bilhões. Para este ano, a meta é de R$ 7,3 bilhões.

A empresa fechou março com R$ 78,5 bilhões em caixa, resultado diretamente relacionado às duas captações realizadas no exterior, que geraram R$ 53,9 bilhões. Segundo Graça Foster, esses recursos são suficientes para o financiamento dos investimentos de 2014.

A presidente da Petrobrás disse ainda ter confiança no alcance da meta de crescimento de produção de 7,5% neste ano. No primeiro trimestre, entretanto, houve queda de 2%. A expectativa para reverter o resultado, segundo ela, é a entrada em operação de novos campos.

Sob investigação. Nos comentários sobre o primeiro balanço do ano, Graça Foster mencionou as investigações em que a estatal está envolvida. "As denúncias apresentadas têm sido e continuarão sendo apuradas por meio dos mecanismos internos constituídos para tal", diz a executiva na carta. No texto, ela reitera o compromisso da diretoria da estatal e de seus empregados com a ética e a transparência.

A presidente ainda citou as refinarias de Pasadena, nos Estados Unidos, e Okinawa, no Japão, envolvidas em denúncias de irregularidades na petroleira. Sobre Pasadena, a executiva afirmou que a unidade "continua processando acima de 100 mil bpd em função da disponibilidade de petróleo não convencional a preços competitivos."