1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lula diz que mudança nas regras do pré-sal é 'derrota'

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 12h 46

Reunido com artistas e intelectuais, ex-presidente criticou a política econômica do governo, mas pediu respeito à presidente Dilma

RIO -  Reunido por duas horas com artistas e intelectuais de esquerda, próximos ao PT, o ex-presidente Lula chamou a militância histórica a “reagir aos ataques” contra o governo e o partido. O ex-presidente fez um panorama sobre a conjuntura do País, fez críticas à política econômica do governo e classificou como “derrota” a votação de mudanças no marco legal do pré-sal, na última quarta-feira. Ainda assim, pediu “respeito” a Dilma Rousseff.

 

Segundo os participantes, Lula não aprofundou análise sobre a votação das mudanças no pré-sal, mas se disse contra o projeto aprovado e classificou o resultado como uma “derrota” do governo. “Ele disse que seria impossível ao governo e ao PT votar frente uma coalizão formada entre PSDB e PMDB”, indicou o ex-presidente do PSB, Roberto Amaral, organizador do encontro.

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Após sinalizar oposição ao projeto, o ex-presidente teria dito que era preciso “respeitar” a presidente Dilma Rousseff, que teria “suas razões” diante das pressões relacionadas ao tema. Em outros momentos, apesar das críticas à condução econômica, Lula pediu “apoio e ajuda” à presidente e ao governo.

 

O ex-metalúrgico reforçou o discurso de que a crise brasileira deriva do contexto internacional, citando particularmente a China e os impactos de sua desaceleração no País. “Ele sugeriu, ao invés dos cortes no orçamento, financiamento pelo Estado e aposta no mercado interno. Disse que não há espaço para disputar o mercado internacional”, afirmou Roberto Amaral, na saída do encontro.

 

O debate ocorre em paralelo à programação de aniversário do PT, que realiza na cidade encontro do diretório nacional e uma festa, marcada para a noite de sábado. Cerca de 50 pessoas acompanharam o encontro, entre elas o diretor teatral Aderbal Freire Filho, os cineastas Silvio Tendler e Luiz Carlos Barreto, o músico Tico Santa Cruz, o escritor Fernando Morais, além de políticos como o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), professores e ativistas.

 

Em tom “animado e combativo”, Lula relembrou a própria trajetória como presidente e condenou a corrupção, sem citar especificamente as investigações da Operação Lava Jato. O ex-presidente também se disse vítima de “ataques”, em referencia às denúncias de ocultação de patrimônio, como o apartamento tríplex no Guarujá. Ele reiterou não ser proprietário do imóvel, e disse que vai processar os promotores do caso.

 

“Ele condenou a corrupção, sem dúvida. Mas também os ataques, sobretudo o absurdo maior que é a história do apartamento, que ele disse não ser dele”, afirmou o professor Luiz Pinguelli Rosa, da UFRJ. “Estava combativo e animado. Acho que vai ser candidato em 2018”, pontuou.

 

O ex-presidente abriu o encontro com um discurso focado na “batalha da comunicação”, como se refere à disputa pela narrativa política. Segundo os participantes, o ex-presidente indicou que seria preciso usar “as ferramentas da internet” para “reagir” aos discursos contrários ao partido e ao governo, sobretudo veiculados pela imprensa.

 

Lula também ouviu críticas ao governo e a falta de “ações concretas” para sair da crise. Os participantes enfatizaram a necessidade de o governo da presidente Dilma Rousseff “sair da defensiva”. “É preciso uma tomada de posição mais firme do governo para reverter o atual estado das coisas. Há um massacre violento”, avaliou o ator Osmar Prado, também militante do partido. “Acho que é preciso termos uma postura crítica entre o que foi feito de bom e os erros”, completou.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX