Lula diz que o maior problema do Brasil não é a Previdência

Em caravana na cidade de Campos, no Rio, o ex-presidente afirmou que, durante a sua gestão no governo federal se criavam empregos, os salários aumentavam e a previdência era superavitária

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 10h15

RIO - O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva afirmou na manhã desta quarta-feira, 6, em Campos, em entrevista à rádio Continental AM que o maior problema do País hoje não é a Previdência, como sustenta o governo do presidente Michel Temer, que luta para aprovar a medida na Câmara dos Deputados antes do fim deste ano. O petista está realizando essa semana mais uma etapa de sua caravana, agora no Rio de Janeiro.

+ Efeito manada pode garantir votos para aprovar a reforma da Previdência

“Acho que o PT tem a clareza que minha volta à Presidência (da República) pode fazer com que o povo volte a sonhar, porque não é possível que alguém ache que o maior problema do Brasil é a Previdência", disse ele. Segundo o petista, em sua gestão no governo federal, quando se criava empregos e os salários aumentavam todos os anos, "a previdência era superavitária".

Para o ex-presidente da República, virtual candidato às eleições gerais do ano que vem, “se o povo não tem dinheiro para comprar, por que as empresas vão produzir, empregar?" No seu entender, as duas coisas caminham juntas, portanto, só haverá produção se houver consumo. "O Brasil tem um mercado de 207 milhões de pessoas. Gente ansiosa pra comprar, mas que hoje não tem dinheiro. Se tiver produtos a preços compatíveis, as pessoas vão comprar."

+ Efeito manada pode garantir votos para aprovar a reforma da Previdência

Na entrevista, Lula disse ainda que ficou oito anos na presidência e não aumentou o gás de cozinha uma única vez. E continuou: "O Temer, em sete meses, já aumentou 68%. Tem lugar do País onde o gás já está custando R$ 105. É um produto da cesta básica. Não pode ser aumentado desse jeito."

+ Para S&P, janela de oportunidade está se fechando para o Brasil

Em outro trecho, ele destaca: "Dizem que o mercado é meu adversário, mas os empresários ganharam dinheiro no meu governo. O mercado precisa aprender a viver com o trabalho da nação."E volta a criticar o presidente Michel Temer, ao dizer que "nenhum presidente que tivesse sido eleito com 99% dos votos teria a desfaçatez para fazer o que Temer está fazendo, entregando para o golpe algo com que o povo jamais concordaria".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.