Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Marcas descobrem o Instagram

Economia & Negócios

Economia

Marcas descobrem o Instagram

Empresas brasileiras começam a entrar na rede social de fotos com a estratégia de usar imagens amadoras de usuários para fazer marketing

0

NAYARA FRAGA ,
O Estado de S.Paulo

08 Abril 2013 | 02h08

Depois de Facebook e Twitter, as empresas brasileiras estão descobrindo aos poucos o potencial da rede social de fotos Instagram para promover suas marcas. E não se trata simplesmente de criar um "perfil" no aplicativo e sair divulgando imagens promocionais. Para fazer sucesso na rede é preciso envolver os usuários e, principalmente, contar com eles.

Até agora, uma das estratégias de marketing mais bem-sucedidas no Instagram tem sido a de incentivar o compartilhamento de fotos por meio de hashtags, que nada mais são do que palavras ou expressões, usadas ao lado do sinal de jogo da velha (#), com a finalidade de agrupar assuntos. Entre outras vantagens, a hashtag, adotada inicialmente pelo Twitter, facilita a busca de um tema específico na infinidade de publicações das redes sociais. Por exemplo: ao publicar a imagem de um pôr do sol, o usuário pode associar a ela a hashtag #sol, #pordosol ou qualquer outra expressão que faça sentido para ele.

A marca carioca de moda feminina Farm criou a hashtag #tonoadorofarm para poder encontrar no Instagram fotos postadas por simpatizantes da rede de lojas. As imagens passam por um filtro e são postadas no próprio perfil da marca, que tem mais de 64 mil seguidores.

A estudante de medicina Anna Carolina da Fonseca, de 28 anos, publicou, com a hashtag da Farm, uma foto sua de biquíni fazendo uma ponte com o próprio corpo em cima de uma prancha, no mar. A imagem foi escolhida para ser publicada no Instagram da marca e já recebeu 8,5 mil "curtidas" - o que nas redes sociais é sinal de popularidade.

Estratégia. Mas a Farm não acertou de largada. Quando a marca de moda entrou para o Instagram, o primeiro impulso foi adotar uma linha comercial, de exposição dos produtos. Depois, fotos da fábrica começaram a ser publicadas, para dar uma ideia de "bastidor". Hoje, quase tudo que a Farm posta no Instagram são estampas coloridas e fotos de usuários que usam a hashtag com a intenção de aparecer no perfil da marca. "Identificamos que aquele não era um canal comercial, mas sim um canal de contemplação, de escape", diz André Carvalhal, diretor de marketing da Farm.

A #tonoadorofarm foi uma criação da marca carioca, mas há casos em que a força do jogo da velha veio do outro lado. As fãs da Melissa, por exemplo, encontraram na tarefa de escolher uma sandália pela manhã um termo que se propagou: #melissadodia. A marca detectou a popularidade do termo e começou a selecionar alguns pés com Melissa para exibir em seu perfil oficial no Instagram.

Mas ainda são poucas as marcas brasileiras que usufruem dessa interação com os usuários da rede social. As companhias do País que têm presença forte no Facebook e no Twitter ainda se mostram tímidas no Instagram - rede que, apesar de ter menos usuários (100 milhões), superou o Twitter em tempo de uso. Segundo a consultoria comScore, a média de minutos gastos no aplicativo de fotos em agosto de 2012 foi de 257, contra 170 no microblog.

Uma das razões para essa falta de êxito na tarefa de atrair usuários está na dificuldade de entender que o aplicativo de fotos não serve como uma vitrine de venda de produtos. "A pergunta que deve ser feita é: o que quero ganhar com essa rede social? Se você só quer dinheiro, não é lá que você tem de estar", diz Nino Carvalho, coordenador dos programas de MBA em marketing digital da FGV. Além disso, manter um perfil nas redes sociais exige investimento. Agências podem cobrar de R$ 15 mil a R$ 35 mil por mês para gerir a presença de uma empresa grande em vários canais.

Embora não sirva como fonte direta de receita para as empresas, elas estão ficando mais ativas no Instagram: em fevereiro, 55% das maiores marcas do mundo estavam postando toda semana, ante 49% em novembro, segundo a empresa de análise de dados Simply Measured. Entre as companhias que conseguem maior engajamento estão Nike e Tiffany & Co., que não chegam a publicar fotos amadoras de usuários, mas vinculam seus perfis a um estilo de vida "saudável" ou "chic".

A General Electric, que atua em áreas como energia e aviação, está entre as dez marcas que mais têm seguidores (132 mil). A empresa publica fotos de locomotivas e ventiladores gigantes. O tamanho enorme dos equipamentos surpreende os seguidores, e a GE interage com quem faz perguntas ou elogios. Cada empresa a sua maneira está tentando usufruir desse espaço para se aproximar do consumidor.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.