1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Meirelles defende manter reservas e fazer reformas

- Atualizado: 17 Março 2016 | 21h 27

Para ex-presidente do Banco Central, sem ajuste fiscal e reformas, crescimento médio do País ficará em 1% nos próximos anos

O ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles

O ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles

O ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles, mais uma vez cercado por rumores de uma eventual volta ao governo, defendeu nesta quinta-feira, 17, no Rio, a preservação das reservas internacionais, o ajuste fiscal e a realização de reformas, sem as quais considera que o Brasil crescerá muito pouco na próxima década. Segundo ele, o País pode encerrar 2016 com uma queda de até 4% no Produto Interno Bruto (PIB), atingindo a maior recessão da história, após o resultado negativo no ano passado, de -3,8%.

Para Meirelles, o alto nível de reservas internacionais acumulado é muito importante e deve ser mantido, pois dá tempo ao governo para realizar ajustes como o do setor externo. “Reservas são muito importantes e é muito positivo que o Brasil tenha acumulado essas reservas, que são um colchão de liquidez”, disse.

A possibilidade de o governo queimar parte dos US$ 372,4 bilhões em reservas para abater a dívida pública do País ou impulsionar a atividade econômica é defendida por integrantes do PT. A presidente Dilma Rousseff, entretanto, garantiu esta semana que elas não serão usadas a não ser para a proteção de flutuações internacionais.

As especulações em torno de um convite a Meirelles para voltar ao governo, no Banco Central ou até mesmo na Fazenda, ganharam corpo com a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil. Meirelles foi o presidente do BC no governo Lula.

A tônica de 2016, diz Meirelles, será inflação persistentemente alta e retração econômica. O mercado prevê no boletim Focus uma queda de 3,5% no PIB, o que na visão dele, pode se aprofundar para até 4%. “Pode chegar a ser a maior recessão da história do Brasil”, afirmou. “O desafio maior é porque existe de fato muita incerteza”, completou, durante um evento da Associação de Supermercados do Estado do Rio.

Ao traçar cenários para a economia brasileira na próxima década, Meirelles afirmou que, sem a solução da questão fiscal, o crescimento do País será baixo, de até 1% ao ano em média. Em outro cenário, com ajuste fiscal, mas sem reformas, esse patamar de crescimento chegaria a 2% ao ano.

Para Meirelles, a única chance de elevar o potencial de crescimento do PIB a 4% ao ano é realizar reformas como a tributária e a previdenciária, “no sentido de gerar mais eficiência trabalhista”, o que é combatido por parte do PT. Ele defendeu ajustes em despesas vinculadas e previdenciárias para equilibrar a curva da dívida pública e evitar seu crescimento.

O ex-presidente do BC s disse que o País vive um quadro de inflação elevada e resiliente, mas que não há problema estrutural que impeça a inflação de convergir para a meta. Ele considera a projeção do mercado para a inflação de 2016 (alta de 7,5%) muito forte, dada a recessão e o desemprego.

Em sua análise de longo prazo, ele destacou a escala de consumo, a inclusão da classe média e a estabilidade política medida pela força das instituições como vantagens do Brasil.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX