Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Meirelles nega candidatura à Presidência e diz estar '100% focado no Ministério'

O ministro ainda disse que não houve um convite formal para ser pré-candidato à Presidência em 2018, mas sim a manifestação de um grupo de parlamentares

O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 11h32

SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a negar que seja pré-candidato à Presidência da República nas eleições de 2018. "O que tenho dito e é a realidade é que estou 100% do tempo focado na Fazenda", disse a jornalistas nesta quinta-feira após fazer discurso no evento Empresas Mais, do Grupo Estado.

Sobre a declaração do prefeito de São Paulo, João Doria, de que o Meirelles deve se focar na economia e não nas eleições de 2018, o ministro disse: "Fico muito feliz quando as pessoas recomendam que eu faça algo que já estou fazendo."

+ 'Recuperação é nítida e está se acentuando', diz Meirelles

Meirelles ressaltou que o Brasil está em meio a um processo de recuperação da maior recessão da história do País, está começando a crescer e, por isso, é muito importante o foco "absoluto e total" na economia, no ajuste fiscal e na aprovação das reformas, tanto a da Previdência como as microeconômicas, para melhorar o ambiente de negócios e destravar o crédito.

Não houve um convite formal para que o ministro seja candidato à Presidência em 2018, afirmou Meirelles. "O que houve foi uma manifestação de um grande número de parlamentares favoráveis a essa possibilidade, dizendo que era algo que deveria ser considerado no futuro", disse ele. "Fiquei honrado com os elogios. Vejo como um reconhecimento do meu trabalho."

+ Catarinense Weg é a grande vencedora da 3ª edição do 'Empresas Mais'

O ministro ressaltou que o Ministério da Fazenda é seu projeto no momento e que não pensa "no futuro e em hipóteses". "Em relação ao que eu vá fazer no futuro, não estou preocupado agora com uma decisão que eu vá tomar no ano que vem", disse ele, destacando que não vai "pré-tomar uma decisão" agora.

Meirelles ressaltou que é importante avançar com a agenda de reformas para que o índice de confiança dos agentes na economia continue crescendo e a recuperação da economia prossiga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.