Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Meirelles diz que Temer 'é o grande responsável' pelo sucesso da agricultura

Durante evento de lançamento do Plano Safra 2017/2018 do Banco do Brasil, Meirelles defendeu Temer e disse ainda que não há evidências de que a crise política tenha impacto na economia

Lorenna Rodrigues e Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2017 | 12h48

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje que a continuação da política macroeconômica "previsível" e da agenda de reformas implicará em maior crescimento. "É essencial continuarmos com agenda de reformas. Este é o caminho para o Brasil mais justo e mais próspero", afirmou, em evento de lançamento do Plano Safra 2017/2018 do Banco do Brasil. Meirelles disse ainda que o crescimento trará como consequência mais recursos para investir em saúde e na área social.

Meirelles aproveitou o evento para passar uma mensagem positiva sobre Temer, como outros integrantes do governo que falaram antes dele. O ministro disse que o presidente é o "grande responsável" pelo sucesso na área agrícola. "Estamos comemorando com muita razão o sucesso da agricultura brasileira. O presidente Michel Temer é o grande responsável por esse sucesso que estamos comemorando. O país está saindo da maior recessão da história com um ano e um mês de governo", declarou Meirelles. 

+ 'Quando você ultrapassa limites da lei, instabiliza o País', diz Temer

Em sua fala, Meirelles disse ainda que não há evidências de que a crise política tenha impacto na economia. "Isso é fato." O ministro afirmou que o Brasil continua a ter boas notícias no segundo trimestre, "apesar da expectativa de alguns". Ele lembrou que o ritmo anualizado de crescimento da economia no primeiro trimestre foi de mais de 4% e destacou o crescimento nas vendas de bens de capital no segundo trimestre. "O investimento no Brasil caiu 30% em dois anos e agora começa a crescer. O empresário brasileiro investe porque está confiante e percebe que Brasil continuará crescendo", acrescentou. 

+ Relator acata denúncia e Planalto manobra na CCJ

Para o ministro, a discussão de se o Brasil vai ou não crescer desaparecerá e o debate passará a ser sobre produtividade. Meirelles ressaltou os dados positivos no setor agrícola e disse que a surpresa positiva na safra ocorreu porque a produtividade cresceu muito. "O objetivo macroeconômico é fazer com que a produtividade da agricultura se espalhe para outros setores da economia", afirmou, citando os setores de serviço e indústria. 

Crédito. O Banco do Brasil vai disponibilizar R$ 103 bilhões para a Safra 2017/2018, conforme antecipou o Estadão/Broadcast na última sexta-feira. Desse total, R$ 11,5 bilhões serão destinados a empresas do agronegócio e R$ 91,5 bilhões em crédito rural aos produtores e cooperativas. 

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, afirmou que o banco é líder na concessão de crédito para o agronegócio brasileiro, com 60% de participação. Segundo ele, 26% do total da carteira da instituição é destinada ao agronegócio. Durante o discurso, Caffarelli confirmou que os recursos liberados pelo banco para a Safra 2017/2018 (R$ 103 bilhões) será 30% maior do que os da safra anterior (R$ 72 bilhões), conforme antecipou o Estadão/Broadcast. "O agronegócio é fruto do crédito, tecnologia e eficiência dos produtores", ressaltou o executivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.