1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mercado de petróleo volta a depender da Opep

Demanda menor e oferta firme, estoques em alta e recuperação anêmica da economia mundial levaram os preços futuros para abril do petróleo bruto nos últimos dias a cerca de US$ 30 o barril do tipo Brent e a pouco mais de US$ 26 o do tipo West Texas Intermediate negociado para março – abaixo da cotação mínima de fechamento em 13 anos.

Houve recuperação de preços ontem, quando o ministro de Energia dos Emirados Árabes Unidos falou em esforços coordenados para elevar preços. As dúvidas acerca do nível de equilíbrio entre oferta e demanda dominaram o Relatório do Mercado de Petróleo da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), que indicou que os estoques tendem a continuar crescendo neste e no próximo trimestre. É decisivo para a formação de preços o peso do maior produtor, a Arábia Saudita, que impõe sua política aos demais países.

O estudo da IEA mostra que o grande fator de especulação, hoje, diz respeito ao tempo que durará a política dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que retoma força e produz 33,5 milhões de barris por dia (b/d) atuais, só 9% abaixo da produção sustentável, excluindo Iraque, Nigéria, Líbia e Irã.

Membros da Opep, como Irã e Iraque, estão elevando a oferta do bruto e novos recordes de produção são esperados. Se, de um lado, os preços cadentes da commodity afetam países como Venezuela, Nigéria e México, de outro, reduzem custos de produção no mundo, favorecendo empresas e consumidores que não dependem de altas cotações.

Nos últimos meses, além de países importadores, estão em apuros companhias ligadas ao petróleo, como os produtores americanos de shale gas, que cortaram a produção em 500 mil b/d e poderão cortar mais, diz o executivo-chefe da francesa Total, Patrick Pouyanne.

As cotações do petróleo não apenas caíram muito desde meados de 2014, como mostram alta volatilidade – ou seja, flutuam tanto de um dia para outro que contribuem para a instabilidade dos mercados globais, como o de ações. Não só os papéis da Petrobrás caíram – a diferença é que estes caíram muitas vezes mais que os de outras petroleiras.

No mundo, a Noruega é exceção. Enriquecida com o óleo, tem US$ 900 bilhões num fundo soberano que agora ajuda a cobrir o déficit fiscal de US$ 20,6 bilhões em 2015, segundo o Estado. É uma conta pequena para quem poupou na hora certa.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX