1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mercado fica mais pessimista e sobe para -3,66% a projeção de queda do PIB em 2016

- Atualizado: 28 Março 2016 | 09h 26

Relatório Focus também mostrou que para a inflação a estimativa é de alta de 7,31%, porcentual um pouco menor do que o calculado na pesquisa da semana passada

BRASÍLIA - As projeções do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro continuam a piorar no Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central. Para 2016, a mediana das estimativas passou de uma retração de 3,60% para 3,66% - um mês atrás estava em 3,45%. Para 2017, a previsão ainda é de alta da atividade, mas menor, já que passou de 0,44% para 0,35%.

Já a produção industrial apresentou uma mediana das estimativas do mercado um pouco melhor para este ano, de queda de 4,40% ante recuo de 4,50% da semana anterior e de um mês atrás. A crise vem impactando fortemente o setor. Em um ano, foram mais de 4 mil fábricas fechadas

Os economistas mexeram levemente em suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB. Para 2016, a mediana das previsões passou de 41,05% para 41,10% de uma semana para outra. 

Indústria deve se retrair 4,4% neste ano

Indústria deve se retrair 4,4% neste ano

Inflação. As projeções para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano engataram tendência de queda e recuaram pela terceira semana consecutiva. De acordo com o Relatório de Mercado Focus, a mediana passou de 7,43% para 7,31% nesta semana. Para 2017, o documento trouxe estabilidade das estimativas pela sétima semana consecutiva, em 6%.

Apesar do alívio, a mediana das previsões para este ano segue acima do teto de 6,50% estipulado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A previsão para 2017 também, já que o limite superior do intervalo da meta para o próximo ano é de 6%.

Para o curto prazo, os sinais foram contrários. Houve alta das expectativas para a taxa em março de 2016, que passou de 0,52% para 0,54% (quatro semanas antes estava em 0,55%); e baixa no caso de fevereiro, com a mediana das previsões variando de 0,63% para 0,62% de uma semana para a outra.

De acordo com o último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em dezembro passado, o BC projeta que a inflação encerre este ano em 6,2% no cenário de referência e em 6,3% pelo de mercado. Para 2017, a estimativa da autoridade monetária está em 4,8% pelo cenário de referência e de 4,9% pelo de mercado. Um novo RTI será divulgado no dia 31 deste mês.

Juro. O Comitê de Política Monetária (Copom) deve trazer poucas novidades nas próximas reuniões, a julgar pelo Relatório de Mercado Focus. Pelo documento, a Selic ficará inalterada em 14,25% ao ano em 2016. Esta é a oitava semana consecutiva em que não há mudanças para este indicador. Para o fim do ano que vem, o relatório mostra que a Selic estará em 12,50%, a mesma taxa prevista há quatro levantamentos. 

Dólar. As previsões do setor privado para o câmbio sofreram várias revisões para baixo. O documento aponta para um dólar no fim deste ano a R$ 4,15 no lugar de R$ 4,20 vista na semana passada. Já a perspectiva do mercado financeiro para o câmbio de 2017 caiu de R$ 4,30 para R$ 4,20.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX