Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Mercado imobiliário brasileiro passa por momento mais positivo, indica pesquisa

Buscas na categoria imóveis cresceram mais de 44% no primeiro semestre de 2017

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 11h00

A demanda por imóveis, um dos setores mais impactados pela crise, dá sinais de melhora. As buscas na internet por compra, venda ou aluguel de unidades no Brasil cresceram 44% no primeiro semestre quando comparadas com o mesmo período do ano passado, segundo levantamento do Google. As procuras por aquisições de imóveis cresceram 71%, enquanto a busca por aluguel teve alta de 21%. 

De acordo com Adriano Nasser, líder na área de parceria estratégica do Google, pelo menos 71% dos usuários começa a busca por um imóvel por sites e aplicativos. Além disso, a maior parte dessas pessoas considera pelo menos cinco imobiliárias ou construtoras antes de fechar negócio.

++ O momento é para comprar na planta, usado ou alugar?

Outro dado observado é que aproximadamente 40% dos consumidores brasileiros abandonam um site caso ele demore mais de dez minutos para abrir, enquanto 29% do público que utiliza smartphones fecham o site imediatamente se ele não for adptado para dispositivos mobile. A pesquisa também verificou que, caso um desses problemas se repita, uma em cada cinco pessoas nunca mais voltará ao site em questão. Os dados indicam que não basta ter bons anúncios, mas também a estrutura necessária para que a ferramente seja bem utilizada. 

Nasser acredita que tais comportamentos demonstram a consolidação e uma nova jornada do consumidor. “Hoje, o que determina a tomada de decisão são os chamados micro-momentos, responsáveis para que uma venda, ou aluguel, se tornem realidade. Além disso o consumidor está conectado o tempo todo, com acesso direto à informação ”, diz.

Quem procura um novo lar também tem preferência por permanecer no mesmo bairro: as buscas por  imóveis "próximo a mim" cresceram 64% neste ano.

Mais conteúdo sobre:
Google Pesquisa Mercado Imobiliário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.