André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Mercado projeta corte de 0,75 ponto porcentual da Selic em outubro, aponta Focus

Relatório divulgado nesta segunda-feira, aponta ainda que a projeção para dezembro é de corte de 0,50 ponto na Selic: assim, a taxa básica de juros encerraria o ano em 7,00% ao ano

Fabrício de Castro, Broadcast

09 Outubro 2017 | 08h52

BRASÍLIA - Os economistas do mercado financeiro projetam um corte de 0,75 ponto porcentual da Selic em outubro, de 8,25% para 7,50% ao ano, segundo o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 9. Nas últimas semanas, eles já projetavam um corte nesta magnitude.

O relatório mostra ainda que a projeção para dezembro é de corte de 0,50 ponto. Assim, a Selic encerraria o ano em 7,00% ao ano. A Selic permaneceria neste patamar até janeiro de 2019, quando subiria a 7,25% ao ano. Depois, a taxa básica iria para 7,50% ao ano em fevereiro de 2019.

Na última sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA de setembro subiu 0,16% - que correspondeu ao teto das projeções do mercado financeiro. No ano, a inflação acumulada é de 1,78% e, nos 12 meses até setembro, de 2,54%. 

Em 21 de setembro, o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) havia reforçado a mensagem de que o BC pretende reduzir o atual ritmo de cortes da Selic. Após ter cortado os juros em 1 ponto porcentual no início de setembro, de 9,25% para 8,25% ao ano, o BC indicou a intenção de, no fim de outubro, promover corte mais moderado.

No Focus de hoje, a Selic média de 2017 seguiu em 9,84% ao ano. Há um mês, a mediana da taxa média projetada era a mesma. No caso de 2018, a Selic média permaneceu em 7,00%, ante 7,03% de quatro semanas atrás.

Para o grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções (Top 5) de médio prazo, a taxa básica terminará 2017 em 7,00% ao ano, mesmo patamar projetado há uma semana e há um mês. Para 2018, a expectativa seguiu em 7,00%, o mesmo porcentual projetado uma semana e um mês antes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.