Mercados atentos à Argentina

O mercado financeiro segue atento à Argentina, onde desde à meia-noite há uma paralisação geral dos trabalhadores. As centrais sindicais protestam contra o presidente Fernando De la Rúa e as últimas medidas econômicas que restringem os saques bancários a US$ 1 mil dólares mensais. Há pouco teve início uma reunião entre De la Rúa e o seu antecessor Carlos Menem, um dos líderes da oposição. O objetivo do encontro é tentar chegar a um consenso para garantir a governabilidade e aprovar o orçamento de 2002, garantindo o déficit zero exigido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para liberar a parcela de recursos prometida para dezembro, de US$ 1,26 bilhão. Nos Estados Unidos serão divulgados hoje dados sobre o nível de desemprego no país e o índice de inflação aos produtor (PPI). Os investidores continuam atentos ao ritmo da atividade econômica norte-americana e a expectativa é de que a economia volte a dar sinais de recuperação no primeiro semestre de 2002. No Brasil, o dólar comercial está cotado a R$ 2,3870 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,67%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 0,61%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,600% ao ano, frente a 20,380% ao ano ontem. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

13 Dezembro 2001 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.