Mercados atentos ao cenário externo

A troca (swap) de papéis cambiais de curto prazo por títulos com vencimento em 2005 e 2006 chamou a atenção dos investidores nesta manhã. Perto das 13 horas, quando se encerrava o prazo para a entrega das propostas dos investidores, o mercado avaliava que a operação seria bem sucedida. A estratégia do Banco Central (BC) com esta operação é alongar os vencimentos dos títulos cambiais. Além do swap de títulos cambiais, o mercado acompanha com atenção as notícias vindas da Argentina. Embora não gerem nervosismo, as informações sobre a demissão do vice-ministro da economia do país, Daniel Marx, foram citadas para explicar a alta das cotações do dólar no mercado brasileiro nesta manhã. Em relação à Argentina, os investidores também estão atentos ao vencimento de US$ 900 milhões em títulos do governo (Letes). Desse total, US$ 250 milhões serão pagos com um empréstimo do Banco La Nación e US$ 450 milhões já teriam sido negociados com bancos e fundos de pensão. Uma outra parcela, de US$ 200 milhões, já tinha sido rolada em julho. Além do vencimento de hoje, a Argentina tem mais US$ 451 milhões vencendo até o próximo dia 28. Os investidores preocupam-se com a possibilidade de o país entrar em situação de default - leia-se calote da dívida. Estados Unidos As notícias vindas dos EUA também não foram animadoras. Depois dos indicadores de vendas no atacado e no varejo divulgados ontem nos EUA mostrando que a economia ainda está muito enfraquecida, o índice de preços ao consumidor (CPI) de novembro divulgado esta manhã mostrou estabilidade (em outubro registrou retração de 0,3%). O núcleo do índice, que exclui preços do setor de energia e alimentos, subiu 0,4% quando a estimativa dos analistas era de 0,2%. Segundo alguns analistas, o resultado da inflação ao consumidor americano pode desestimular o Banco Central dos Estados Unios (Fed) a continuar reduzindo a taxa de juro, pois haveria o risco de novos cortes de juro reaquecerem a inflação. No entanto, outros analistas viram o dado como positivo porque reduz os temores de que a recessão pudesse gerar um processo de deflação. Veja os números do mercado financeiro Às 15h07, o dólar comercial era vendido a R$ 2,3870 com alta de 0,55%. Na máxima do dia, o dólar atingiu R$ 2,395, com alta de 0,88%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,440% ao ano, frente a 20,350% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em queda de 1,41%. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires opera com alta de 1,41%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - registra baixa de 0,02%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - opera com alta de 0,01%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

14 Dezembro 2001 | 15h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.