Mercados atentos ao cenário externo

Hoje é um dia decisivo para a Argentina. Há um vencimento de US$ 900 milhões em Letes em poder dos fundos de pensão e já se sabe que o governo argentino não possui os recursos para honrar a dívida. Mas, a equipe econômica afirma que já conseguiu renegociar estes papéis e, portanto, o país não chegará à situação de default - leia-se calote da dívida. Porém, enquanto isso não se confirmar efetivamente, os investidores permanecerão atentos. Há pouco foi oficializada a renúncia do vice-ministro da Economia e secretário de Finanças da Argentina, Daniel Marx. A sua decisão já foi apresentada ontem ao presidente Fernando De la Rúa e ao ministro da Economia Domingo Cavallo. O motivo para a saída, segundo informou o jornal argentino "Clarín" em sua edição de hoje, são as opiniões divergentes de Cavallo e Marx sobre a reestruturação da dívida. Já o jornal "La Nación" informou que a divergência entre os dois era a política de paridade cambial, já que Marx passou a defender o fim da paridade de um peso para um dólar. Em entrevista iniciada há pouco, Marx justifica sua renúncia por problemas pessoais, mas admitiu divergências com Cavallo. No Brasil, será realizada hoje a troca voluntária de títulos cambiais de curto prazo - com vencimento no primeiro semestre do próximo ano - por papéis com vencimento mais longo, em 2005 e 2006. O valor máximo para a troca pretendida pelo governo é de US$ 2 bilhões. O motivo para esta operação é que existe uma concentração muito grande de títulos cambiais com vencimento anterior às eleições presidenciais no próximo ano. O governo pretende alongar parte destes vencimentos, evitando um aumento de sua dívida, caso o dólar volte a ficar pressionado no início do próximo ano, em função das incertezas em relação ao próximo governo. Nos Estados Unidos, será divulgado logo mais o índice de preços ao consumidor (CPI). O dado é importante, pois sinaliza o ritmo da atividade econômica norte-americana. As bolsas em Nova York ainda não abriram. Veja os números do mercado financeiro Às 11h03, o dólar comercial estava cotado a R$ 2,3840 na ponta de venda dos negócios, em alta de 0,42%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,400% ao ano, frente a 20,350% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,02%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

14 Dezembro 2001 | 11h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.