Mercados: dólar segue em queda

Hoje não houve grandes novidades que influenciassem os mercados financeiros diretamente. O que prevaleceu, dada a estabilidade, foi o otimismo das últimas semanas. O dólar voltou a cair, chegando à mínima de R$ 2,4190. No fechamento, acabou negociado a R$ 2,4370. Como a entrada de divisas continua firme, especialmente com várias captações de grandes empresas no exterior, as cotações vêm caindo. Na Argentina, as medidas de controle dos saques bancários e evasão de dólares estão surtindo efeito, embora analistas brasileiros continuem céticos quanto às perspectivas de médio prazo do país. Momentaneamente, o clima é de maior tranqüilidade nos mercados portenhos. Depois da troca dos títulos da dívida em poder de credores internos, agora as expectativas são pela liberação de recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI). Fontes do governo afirmam que os US$ 1,260 bilhão esperados devam sair antes do Natal. A importância da entrada de novos recursos e do sucesso da renegociação da dívida externa fica clara pelos números divulgados hoje sobre as reservas internacionais e depósitos bancários, ambos apresentando fortes quedas nos dias que antecederam a divulgação do pacote. Entre quinta e sexta-feira da semana passada, as reservas internacionais da Argentina caíram US$ 1,199 bilhões sendo apenas US$ 14,74 bilhões correspondentes a ouro, moeda estrangeira e depósitos de prazo fixo. Esse é considerado um nível excessivamente perigoso para as reservas, especialmente dado o mecanismo de conversibilidade. Fechamento dos mercados O dólar comercial para venda fechou em R$ 2,4370, com queda de 0,65%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 21,150% ao ano, frente a 21,340% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,42%. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 1,21%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,33%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 3,06%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

04 Dezembro 2001 | 18h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.